Bianca Wachholz lutou insistentemente pelo fim do seu relacionamento abusivo e seu maior propósito de vida foi abrir um instituto onde ela pudesse ajudar outras mulheres a sair do estado de vulnerabilidade e perigo, mas não houve tempo para isso. Bianca tornou-se símbolo de luta no combate à violência doméstica contra a mulher.

Para o projeto "Mulheres que Inspiram", conversamos com Naschara Filiponi, presidente do Instituto Bia Wachholz, fundado em agosto de 2018, logo após o feminicídio de Bianca, ocorrido em 25 de julho daquele ano.

Após a tragédia, um grupo de amigas dela decidiu fundar a entidade, com o objetivo de ajudar outras mulheres que sofreram violência doméstica. O nome foi uma forma de homenagear "Bia", já que ela, nos últimos dias de vida, expressou a vontade de realizar este trabalho de apoio às vítimas.

Apoio

Segundo Naschara, o fato do instituto não ter sede própria dificulta um pouco certos atendimentos e serviços prestados. Como exemplo, ela cita as oficinas de artesanato, que buscam preparar as mulheres para uma possível profissão, tendo como foco a independência financeira, já que este é um dos principais aspectos que as mantêm presas a relacionamentos abusivos.

 

"Não ter um espaço físico para essas oficinas acaba nos prendendo um pouco. Antes da pandemia, ainda havia encontros a cada 15 dias no Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) 1 de Blumenau", conta.

 

Mas, mesmo diante dos desafios, ela relata que o instituto possui uma grande rede de apoio, composta por mulheres determinadas, que querem pôr um fim na violência doméstica.

 

"Sempre que sabemos de uma situação de abuso e violência indicamos, em primeiro lugar, ir até uma delegacia de apoio à mulher ou ligar para o 180. Uma assistência psicológica é sempre muito boa, já que fará com que a mulher entenda a situação em que ela se encontra e não se culpe pelo que está acontecendo, entre outros benefícios de um acompanhamento profissional", aponta.

 

Atualmente, a entidade disponibiliza oficinas de capacitação profissional, palestras e rede de apoio.

Planos para o futuro

De acordo com Naschara, o principal objetivo para o futuro é viabilizar uma sede própria para poder colocar em prática todos os projetos que ainda estão no papel.

 

"Nós acreditamos no poder da união das mulheres. Juntas, podemos tudo, inclusive pôr um fim na violência contra mulher. Não podemos nos calar. Temos que dar as mãos e mostrar de onde vem nossa força", conclama.

 

Caso queira auxiliar ou conhecer mais sobre o trabalho desenvolvido pelo Instituto Bia Wachholz, clique aqui.

--

Encerramos hoje nossa série de matérias especiais para o projeto Mulheres que Inspiram, uma realização da Contax Contabilidade e Planejamento Tributário, em comemoração aos seus 25 anos, com o apoio da Presse Comunicação e do OCP News Vale.

Durante todo o mês de março, divulgamos histórias de mulheres que fazem a diferença! Foi nossa forma de homenagear as mulheres de Blumenau e região, especialmente as nossas clientes e colaboradoras.

Agradecemos a todas as participantes que contaram um pouquinho da sua história e ajudaram a inspirar outras pessoas.

Leia as outras entrevistas do projeto "Mulheres que Inspiram":