Em entrevista ao projeto "Mulheres que Inspiram", idealizado pela Contax Contabilidade e Planejamento Tributário, com o apoio da Presse Comunicação e do OCP News Vale, Maria Christina Dorigatti conta que uma de suas principais metas, além de manter o atendimento de excelência na Rede Feminina de Combate ao Câncer, em Blumenau, era “cuidar de quem cuida”.

 

"As voluntárias também precisam de cuidados, de carinho, para que realizem um bom trabalho", ressalta.

 

Entre os diversos momentos marcantes no período em que esteve na presidência da entidade, entre 2017 e 2020, ela lembra o mês do Outubro Rosa, simbolizado pelo laço rosa, que visa chamar a atenção de toda a comunidade para a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama e a prevenção do câncer de colo de útero.

 

"É muito emocionante ver toda a comunidade engajada em nossa causa, é de arrepiar ver a caminhada colorindo as ruas de Blumenau de rosa", recorda.

 

Outra ocasião importante é sentir o quanto a Rede Feminina é uma instituição querida e respeitada por toda comunidade quando acontecem os pedágios. "Ninguém que passa nas sinaleiras deixa de doar uma moedinha e, mesmo durante a pandemia, com o pedágio virtual, podemos sentir o quanto nosso trabalho é importante!".

Profissionalização do voluntariado

Maria Christina relembra que, num passado não muito distante, as voluntárias da Rede Feminina eram vistas como mulheres de sociedade que se reuniam para fazer um trabalho social. Hoje, essa versão caiu por terra, pois foram abertas totalmente as portas da instituição e as pessoas foram convidadas para conhecer todo o trabalho executado dentro da “casa cor de rosa”.

O sistema de gestão é totalmente profissionalizado, cada setor tem seu gestor, houve investimentos em novas tecnologias e equipamentos, e as voluntárias trabalham com projetos para captação de recursos.

A Rede Feminina mantém parcerias com instituições de ensino superior da região e possui certificação do Ministério da Saúde (CEBAS), tudo dentro das especificações das leis que regem as instituições filantrópicas. Com reputação e credibilidade cada vez mais fortes, a entidade vem sendo destacada como referência municipal e estadual.

 

"Nosso principal desafio é manter a Rede funcionando, para isso é necessário muito empenho de todas as voluntárias em seu trabalho diário e também nos eventos. A pandemia foi um imenso desafio, tivemos que num primeiro momento fechar tudo, depois reabrir com protocolos de segurança e ainda manter, durante esse período, todo o funcionamento sem nenhum evento, e por consequência, sem entrada de verbas. Mas, mesmo assim, conseguimos encerrar nossa gestão com a sensação de missão cumprida", observa.

 

Carreira

Formada em História Natural, com pós-graduação em Ciências, Maria Christina exerceu a profissão de professora durante 42 anos, ensinando Biologia, Química e Física. Ela diz que o fato de ser mulher nunca foi um empecilho para sua carreira. "Em nenhum momento tive algum problema, pelo contrário, fui sempre respeitada e admirada pelas pessoas com que convivo, pois sempre procuro estar no lugar do outro".

Inspirada por mulheres que se amam, que vão à luta pelos seus objetivos e que se fazem respeitar pela sua profissão, Maria Christina é casada há 44 anos com Mauro Dorigatti, tem dois filhos (Bruno e Marcelo) e quatro netas (Nina, Amora, Sofia e Paola). "Por ser professora de Biologia, inicialmente, trabalhava somente no período em que eles estavam na escola, para poder dar atenção no período livre para outras atividades", comenta.

Futuro

Após quatro anos à frente da Rede Feminina de Blumenau, ela recebeu o convite da próxima presidente estadual para compor a nova diretoria, como vice-presidente da gestão 2021/2022, cuja posse acontece neste mês de março.

 

"O objetivo das Redes Femininas de Santa Catarina é prevenir o câncer de colo de útero, realizar diagnóstico precoce do câncer de mama e apoiar pacientes mastectomizadas. Todos os serviços prestados são gratuitos e estão apoiados em dois pilares: prevenção e apoio. Para isso, vamos capacitar todas as Redes, dentro de suas realidades, a incentivar as mulheres a fazerem o seu preventivo, porque, se descoberto no início, o câncer tem cura", alerta.

 

Para todas as mulheres, Maria Christina deixa uma mensagem final de pura inspiração.

 

“Eu sou mulher e decidi viver de escolhas, não de chances. Optei por ser motivada e não manipulada, ser útil e não usada, me sobressair, não competir. Eu escolhi amor próprio e não autopiedade. Eu escolhi ouvir minha própria voz, não a opinião dos outros. Eu descobri que ser mulher é ser livre, é ser líder, senhora do meu destino”.

 

Caso queira conhecer mais sobre o trabalho da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Blumenau, clique aqui.

Leia as outras entrevistas do projeto "Mulheres que Inspiram":