Primogênita do Vale do Itapocu, Jaraguá do Sul é a cidade da região com o maior número de habitantes e é a sétima maior economia de Santa Catarina.

Tal como um irmão mais velho, Jaraguá do Sul busca ser um exemplo de força e responsabilidade.

Completando 143 anos, a cidade precisou se adaptar e crescer, contando muito com as próprias pernas devido à força que tem, e ao mesmo tempo não perdeu de vista o papel de referência para as demais cidades da região.

À frente da Prefeitura desde 2017, Antídio Lunelli (MDB), prefeito municipal, destaca o esforço do governo em atualizar os processos dentro da administração pública.

“Procuramos ser um exemplo e fazer um trabalho realmente de gestão aqui no nosso município, alcançando hoje um controle que temos em relação aos números, principalmente da Prefeitura”, conta Lunelli.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Para o prefeito, Jaraguá do Sul tem a habilidade de saber se relacionar bem com as cidades do entorno e acredita que o município e a região podem alcançar ainda muito mais quando tomarem mais decisões de forma regional.

Serviços como de gestão de resíduos sólidos, de tratamento de água e de esgoto são algumas das áreas com um bom potencial para serem oferecidos em quantidade e ainda maior qualidade à população, além da economia para os cofres públicos.

Para isso, Lunelli defende que a região se una, sem ver cores ou números, indo além de legendas partidárias e questões políticas, mas mantendo sempre o olho no futuro.

“Temos bons prefeitos aqui na nossa região, mas tem que existir esse diálogo, acho que a união faz a força”, declara.

Amvali é fruto da união entre os municípios

Um bom relacionamento é realmente quando todos crescem, se desenvolvem e evoluem, numa troca e ajuda mútua.

Mas isso não vem de graça, é fruto de parceria, de união, de estar juntos nas horas difíceis. E isso, Jaraguá do Sul tira de letra.

Foi um prefeito da cidade que ajudou a criar, lá no fi m da década de 1970, a Associação dos Municípios do Vale do Itapocu, que chamamos de Amvali.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Victor Bauer estava em seu segundo mandato como prefeito e foi o primeiro presidente da entidade que ajudou a fundar e que hoje já tem 40 anos.

Desde então, a Amvali ganhou forma e – reunindo os sete municípios da região do nosso vale – tem discutido em conjunto as principais demandas regionais, sempre de olho no futuro, pois é assim que um relacionamento dá certo.

“Jaraguá do Sul é a referência para muitos dos municípios [da Amvali]”, diz a diretora executiva da entidade, Juliana Pereira Horongoso Demarchi.

Muitos projetos que deram certo, ou serviços que são oferecidos na cidade acabam sendo compartilhados ou servindo de modelo para os demais municípios, ela conta.

Para ter uma noção do tamanho do papel de Jaraguá do Sul para a entidade, a diretora destaca que o município representa 40% da receita da Amvali, que é mantida pelos sete municípios associados.

“É um dos municípios que mais utilizam nossos serviços e também um dos mais parceiros, que valoriza nosso trabalho, que está presente no nosso dia a dia e que participa de todos os trabalhos que a gente desenvolve para os municípios”, declara.

Lutas pelo melhor da região

Como liderança, Jaraguá do Sul está envolvida nos maiores e principais pleitos da associação, que tem como objetivo o desenvolvimento regional do Vale do Itapocu.

Desde o combate ao maruim – mosquito que prejudica a qualidade de vida da população principalmente rural -, Jaraguá do Sul também luta pela duplicação da BR-280 e vem ajudando na mobilização pela recuperação da SC-108, em Guaramirim.

Esse papel de referência e liderança foi construído, a cada dia, conta a diretora executiva da Amvali Juliana Demarchi, ao longo dos últimos sete anos.

Os prefeitos buscavam mudanças na forma de atendimento da entidade e queriam que a associação entregasse mais serviços, o que a entidade conseguiu alcançar, com a parceria de todos.

“Como o maior município da região, Jaraguá do Sul trabalha sempre em parceria com os demais prefeitos, sempre unidos por uma única causa: ajudar a desenvolver cada dia mais os municípios, buscar soluções de melhorias no atendimento à população e trazer qualidade de vida”, conclui.

 Política como forma de interagir com a sociedade

Parte de se relacionar, principalmente em sociedade, é também fazer política.

O convívio com pessoas diferentes de nós, com pensamentos, vontades, sonhos e projetos que nem sempre tem a ver com os nossos – isso quando não são totalmente opostos -, exige política, exige organização e regras para garantir o direito e bem estar de todos.

Pensando no melhor para o futuro da nossa sociedade, Jaraguá do Sul também prepara as novas gerações para esse convívio salutar, com um olhar mais direcionado à nossa relação com nossos governantes. Aliás, é esse tipo de relação mais conhecida como política.

Pelo programa Vereador Mirim da Câmara de Jaraguá do Sul, a estudante do sétimo ano da Escola Albano Kanzler, Haika de Godoy, tem vivido esse relacionamento político na prática, desde o começo deste ano.

“A política pra mim é poder ajudar as pessoas, ser sua voz e poder representar essas pessoas, principalmente das escolas que os vereadores mirins representam”, diz Haika.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Além de vereadora mirim, Haika é também a presidente da Câmara Mirim, com apenas 12 anos de idade.

Nem a diferença de idade com os outros dez vereadores mirins, que têm entre 14 e 15 anos, nem as diferentes visões de mundo que cada um dos jovens parlamentares têm faz com que o relacionamento entre eles seja difícil.

Pelo contrário. O respeito, diz Haika, é a base de tudo.

“A gente tem que pegar o que é diferente [da gente], pesquisar, analisar, pra então tornar as coisas melhores”, ensina a jovem.

Confira o especial completo de 143 anos de Jaraguá do Sul

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger