O MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) ainda tenta montar o quebra-cabeça que envolve os supostos crimes praticados pela família Openkoski, no caso AME Jonatas. Desde o dia 31 de julho, a delegada da Polícia Civil de Joinville, Geórgia Bastos, concluiu a investigação e indiciou Aline e Renato Openkoski pelos crimes de estelionato e apropriação indébita.

O casal, segundo a investigação, teria utilizado os recursos arrecadados pela companha AME Jonatas em benefício próprio e levava uma vida de ostentação. Eles ainda podem ser investigados por crimes de lavagem de dinheiro, segundo a delegada.

O inquérito agora está nas mãos da promotora do MPSC, Diana Spalding Lessa Garcia. Ela analisa os documentos coletados pela Polícia Civil e deve se manifestar ainda este mês. O órgão pode denunciar os pais do bebê, pedir mais diligências à Polícia Civil ou solicitar o arquivamento do processo.  Caso haja denúncia, Renato e Aline passam a ser réus e terão que responder as acusações perante à Justiça.

“O caso é um tanto quanto minucioso. Estamos analisando criteriosamente todas as provas, conversas telefônicas, dados bancários e demais informações do inquérito para montar este quebra-cabeça. Já pedi à delegada novos esclarecimentos e minha intenção é me manifestar sobre a denúncia até o fim do mês”, disse a promotora à reportagem da Rede OCP News, nesta terça-feira (11).

Ainda de acordo com a promotora, muitos dados importantes no processo estão sendo coletados e analisados.

“Estamos organizando estas peças para fazer o embasamento da denúncia. Nem tudo o que foi coletado é crime, por isso precisamos analisar e pontuar bem. É um processo bastante trabalhoso, com muitas interceptações telefônicas. Outra dificuldade que estamos tendo é de buscar informações que estavam em redes sociais, as quais foram deletadas”, completa Diana.

O que sobrou do R$ 4 milhões arrecadados pela campanha AME Jonatas seguem bloqueados pela Justiça e o casal só consegue ter acesso ao dinheiro quando comprovam a utilização dos recursos. Jonatas segue o tratamento de saúde para Atrofia Muscular Espinhal em Joinville. A família não foi localizada para falar sobre o caso.

Leia mais:

Família do menino Jonatas pode perder guarda da criança

AME Jonatas: Delegada dá detalhes do inquérito e explica porque pediu prisão de Renato

Caso Jonatas: Polícia Civil pede prisão do pai do garoto

Polícia Civil conclui investigação do caso Ame Jonatas

Justiça libera dinheiro da campanha AME Jonatas para custeio de aluguel

Pais do pequeno Jonatas Openkoski prestam depoimento em delegacia de Joinville

Investigações do caso AME Jonatas devem ser retomadas pela Polícia Civil em maio

Renato Openkoski, pai de Jonatas, grava vídeo se defendendo e posta em redes sociais

Polícia Civil desmente fake news e diz que não pediu mandado de prisão contra os envolvidos na campanha AME Jonatas

[VÍDEO] Polícia Civil diz que pais de Jonatas levavam vida confortável

Polícia Civil divulga imagens dos bens apreendidos na casa dos pais do menino Jonatas

Terça-feira será dia decisivo para o caso AME Jonatas

Justiça libera parte do dinheiro bloqueado e Jonatas recebe segunda dose de medicamento importado

Bloqueio das contas pode prejudicar tratamento de Jonatas, alega a família

A verdade sobre o caso Jonatas

Bebê Jonatas começa tratamento em hospital de Jaraguá do Sul. Saiba como ajudá-lo

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?