Marcado para acontecer entre os dias 23 e 27 de julho, em Balneário Camboriú, a 17ª Supercopa América de Futsal Masculino é alvo de uma grande polêmica.

Isso porque, a organização do torneio decidiu barrar a inscrição da goleira Clara Rodrigues, de apenas 10 anos, que defende a equipe do Tuna Luso, do Pará, por conta de ser menina.

Em protesto à decisão, a mãe da atleta, Renata Rodrigues, usou as redes sociais para denunciar o caso e ainda criou o abaixo-assinado "Deixem as meninas jogarem em todos os campeonatos", que já tem mais de 4 mil assinaturas.

Foto Divulgação

Em um vídeo na internet, Renata conta todas as dificuldades enfrentadas pela filha no esporte e revelou que Clara sempre jogou nos times masculinos, já que não existem equipes femininas em sua faixa etária.

A menina joga futebol desde os sete anos de idade e hoje é a única atleta mulher do Tuna Luso. Inclusive, ela estava vendendo docinhos para ajudar nas despesas do campeonato em Santa Catarina.

 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

Telegram

Facebook Messenger

WhatsApp