De forma recorrente temos sustentado aqui nesse espaço editorial que todo cidadão que observa e cumpre as determinações das autoridades sanitárias, no tocante à vacinação, está praticando um gesto de cidadania, pois não está protegendo só a si próprio, mas, a sociedade. Obviamente, que além de responsabilidade cidadã, isso requer, também, inteligência.

As vacinações contra a gripe e sarampo, ora em curso, são primordiais para blindar o organismo contra agentes infecciosos e bacterianos, fortalecendo o sistema imunológico. Portanto, o compromisso da vacinação se faz premente.

Ademais, cabe evidenciar que nenhum cidadão pode alegar desconhecimento da lei. Vacinação é um direito fundamental previsto na Constituição Federal. Destaca-se também que as vacinas contra a gripe e sarampo são muito seguras e eficientes no quesito prevenção. De acordo com estudos especializados, elas podem reduzir em até 45% o número de internações por doenças relacionadas, e até 75% a mortalidade.

Entretanto, infelizmente os números de nossa comunidade, não causam orgulho. A adesão por esse importante compromisso tem se mostrado muito baixa. Como forma de aplacar essa negligência social, a Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina e as Secretarias Municipais de Saúde decidiram ampliar o público-alvo das Campanhas.

Desde sexta-feira (27), além dos grupos prioritários que já estavam elencados para receber as vacinas, também podem ser vacinadas crianças de 5 a 11 anos de idade e todos os trabalhadores da saúde, como médicos veterinários, profissionais de educação física, entre outros, mesmo que não atuem em estabelecimentos de assistência e vigilância em saúde.

Sendo assim, a Campanha de Vacinação contra a gripe e o sarampo segue até o dia 3 de junho. Ainda, segundo a Secretaria Estadual, a partir do dia 6 de junho, os municípios que ainda tiverem doses da vacina contra a gripe disponíveis, poderão ampliar a vacinação para toda a população, enquanto perdurarem os estoques. Por fim, vale ressaltar que vacinas salvam vidas