Texto escrito por Daiane Mohr, CFP®

Sabemos que falar sobre dinheiro nem sempre é fácil. Mesmo sendo algo tão rotineiro na nossa vida, ainda não conseguimos abordar o assunto, seja numa conversa em família, num encontro com os amigos ou até mesmo dentro das nossas residências. Afinal, quantos casais evitam a conversa, apesar de viverem em um acordo que representa companheirismo e confiança?

Cada vez mais, em toda a experiência que possuo no mercado financeiro e com tantas histórias que já pude acompanhar, chego à conclusão de que a forma como lidamos com o dinheiro é um comportamento cultural que tem suas raízes bem profundas na forma como nossos pais tratavam esse assunto. Há muitos filhos que só descobrem a real situação financeira de seus pais somente depois da morte deles - e muitos se surpreendem.

E esse tabu está presente em todas as classes sociais. Alguns se sentem culpados por ter dinheiro demais, outros não assumem que possuem dívidas de cartão de crédito, parcelas de carros, ou que sequer sabem como andam seus orçamentos. As gerações mais novas, pelo menos, já mostram que tratam esse assunto com um pouquinho mais de leveza: estão mais ligadas no “ser” e não no “ter”.

Se pergunte: como você trata esse assunto dentro da sua casa? Você consegue falar abertamente sobre o orçamento doméstico com seu cônjuge? Seus filhos estão sendo preparados para saber usar o dinheiro de forma consciente, ou estão fadados a repetir os mesmos erros dos que vieram antes deles?

Falar de dinheiro parece desafiador, mas você pode mudar isso aos poucos. Não é como se você precisasse sair por aí gritando aos quatro cantos sobre sua vida financeira, mas inicie a conversa com quem é próximo de você. Converse com um amigo sobre algum investimento que você encontrou e achou interessante, por exemplo.

Aliás, falando em filhos, lembre-se que a responsabilidade de como eles irão se comportar com dinheiro parte de você, então fale abertamente com eles, abra o jogo da mesma forma que você falaria sobre educação sexual, por exemplo. Quando o assunto é sexo, quanto mais informações eles têm, maiores as chances de não tomarem decisões erradas, certo?

Com dinheiro funciona exatamente da mesma maneira! Uma relação saudável com o dinheiro envolve entendê-lo como um meio para a realização de sonhos e objetivos de vida - e isso só é possível com muito planejamento e disciplina. Você já ouviu aquela expressão: o dinheiro te trata como você trata ele?

Então seria melhor não ignorá-lo e tratá-lo com naturalidade. E o principal nisso tudo é definir que sonhos e objetivos são esses: o que faz sentido para você? De que forma você quer viver sua vida? Se você tem um objetivo de viagem para a Disney com a família, por exemplo, o “passeio” já pode começar ainda em casa, planejando o orçamento como uma atividade familiar, envolvendo os filhos na aventura que é falar abertamente sobre dinheiro.