A praça Ângelo Piazera é palco de uma brilhante iniciativa, digna de efusivos aplausos. Projeto conjunto da Secretaria de Educação e Secretaria da Saúde, da Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul, intitulado “Estação Prevenção”, busca transmitir aos jovens, por meio de uma linguagem lúdica, acessível, inteligente e transparente, os perigos, consequências e importância da prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST).

Embora essas doenças ou infecções, já não sejam consideradas uma epidemia, o surgimento de cerca de 40 mil novos casos por ano, no Brasil, ainda nos mostra o quão importante é investir em massiva e assertiva orientação ao público jovem, notadamente.
Quando o assunto é DST, um dos aspectos determinantes na questão do combate, é a propagação de informação. É preciso desconstruir preconceitos impregnados em nossa patriarcal sociedade.

Portanto, além de ações e mobilizações importantes como a “Estação Prevenção”, é imprescindível falarmos com naturalidade sobre saúde sexual, que transcende o uso da camisinha. É preciso se despir dos tabus e discutir a relação sexual. Pressupõe-se então, amplitude da informação. Esta precisa alcançar todas as classes, idades e condições. No entanto, aliada a muita informação, deverá estar a educação sexual.

Quando há educação sexual adequada os índices de doenças sexualmente transmissíveis reduzem consideravelmente. É um mito acreditar que falar sobre sexo estimula o filho, o aluno a iniciar-se na prática. Pesquisas comprovam o contrário. Jovens que recebem educação sexual na escola e em casa, tendem a adiar o início da ato ou, pelo menos, fazerem de forma mais consciente e responsável.