O Estado de Santa Catarina acaba de sancionar lei que cria a Semana Estadual de Combate ao Bullying, sendo fixada na terceira semana de setembro. O bullying é um problema social que se alimenta, notadamente, de argumentos rasos como: o bullying é frescura da sociedade moderna; o bullying não mata ninguém; no meu tempo não existia bullying; esse negócio de bullying é invenção dos fracos; bullying não passa de simples brincadeira; e tantos outros argumentos infundados e retrógrados.

Em tese, quem sustenta argumentos dessa natureza é o agressor com formação baixa. Bullying não é invenção, não é frescura, não é brincadeira. É ação física e psicológica deprimente e desumana. Ele tiraniza, oprime, humilha, amedronta, ameaça, isola, invade a dignidade. Portanto, precisa ser combatido e erradicado. O exército responsável por essa nobre missão, deverá ser composto por familiares, professores, equipe pedagógica e alunos educados.

Há muitos indicadores de desenvolvimento em nosso estado que nos causa orgulho. No entanto, esse orgulho é ofuscado por indicadores acima da média nacional, relativos a bullying e estupro, justamente os que violam e depreciam dignidade humana. Espera-se que a respectiva lei represente mais uma ofensiva bem sucedida nessa guerra contra o bullying.

Nesta guerra só há uma certeza: os que praticam bullying são os que ainda não entenderam que a verdadeira beleza reside nas diferenças das pessoas. Respeitar o próximo e aprender a admirar suas diferenças é condição de quem se encontra a um nível superior ao senso médio de humanidade. Bullying não é legal.