A Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram), junto ao Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), informam que a Lagoa da Conceição está imprópria para o uso em geral em toda a sua extensão, e portanto, deve-se evitar o contato primário, como banho e atividades de lazer, além do consumo de pescados da região.

Os órgãos seguirão vistoriando a área e monitorando a água para a identificação da causa da mortandade de peixes na Lagoa. Nesta quarta-feira (3), uma nova análise foi realizada no local, com a presença da UFSC e Floram.

 

 

Os resultados devem sair nos próximos dias. Uma nova manifestação em conjunto será feita assim que a condição tenha se normalizado na Lagoa da Conceição.

 

Lagoa artificial se rompeu e alagou casas em Florianópolis | Foto Divulgação/CBMSC

 

No dia 25 de janeiro ocorreu o deslizamento de um talude natural que atuava na contenção de parte do volume da lagoa de evapoinfiltração que promove a disposição final do efluente tratado da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) da Lagoa da Conceição.

O grande volume de água que verteu da lagoa ocasionou a inundação de uma área urbanizada na servidão Manoel Luiz Duarte e fluiu em direção à Lagoa da Conceição.

O acidente ocorreu após uma chuvarada intensa de 240mm — maior precipitação já registrada na região, sendo que as chuvas que caíram em Florianópolis em janeiro somaram 686mm, o dobro da média climática esperada para o mês.