A família Gaspar Lemos, vítima de chacina em um hotel de Canasvieiras, foi sepultada no início da tarde deste domingo (08). Velório e enterro ocorreram no Cemitério Jardim da Paz, no bairro João Paulo.

Uma sobrinha da família veio do exterior para fazer o reconhecimento oficial dos corpos no Instituto Médico Legal. A liberação para sepultamento ocorreu na noite de sábado (07).

Um sócio da família que também foi vítima do crime bárbaro, foi sepultado no sábado em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha. Ele era gaúcha e morava há aproximadamente um ano em Florianópolis

De acordo com moradores do bairro no Norte da Ilha, a família era tranquila e tinham bom relacionamento com a vizinhança. Para a polícia, o crime pode ter sido motivado por acerto de contas envolvendo dívida e negócios.

Leia mais:
"Eu ainda não tinha visto um crime nesses padrões em Florianópolis", diz delegado
VÍDEO: Chacina em Florianópolis pode ter sido motivada por acerto de contas

Os Gaspar Lemos eram natural de São Paulo e moravam há dez anos em Florianópolis. Pai e três filhos eram proprietários de hotel onde foram brutalmente assassinados assim como de outros negócios envolvendo comércio e loja de carro.

O pai Paulo Gaspar Lemos, 77 anos; os filhos Paulo Gaspar Lemos Júnior, 51, Leandro Gaspar Lemos, 44, e Katya Gaspar Lemos, 50, e o sócio Ricardo Lora, 39, foram mortos por asfixia. A polícia acredita que as vítimas sofreram tortura psicológica, pois ficaram em posse dos criminosos das 16h até a meia-noite.

Os corpos foram encontrados amarrados, embebidos em gasolina e com uma corda no pescoço. Havia recados nas paredes com indicações sobre a motivação da chacina. O crime foi cometido por três homens encapuzados, sendo que um deles estava armado. Uma funcionária do hotel que também foi feita refém, conseguiu fugir.

Investigação

Segundo a Polícia Civil, investigadores que trabalham no caso estiveram no apart-hotel que pertencia à família assassinada neste domingo (08) para recolher documentos das vítimas, da empresa e de bens com o intuito de aprofundar a apuração.

No sábado, a polícia ouviu testemunhas e atendeu familiares das vítimas. Imagens do entorno do hotel também foram recolhidas para tentar identificar os autores do crime.