O motorista de caminhão que arrastou uma moto por 32 quilômetro na BR-101, no dia 6 de março, foi denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina por homicídio com dolo eventual de Sandra Aparecida Pereira, de 47 anos, e por tentativa de homicídio triplamente qualificado do marido dela, Anderson Antônio Pereira, de 49. O denunciado, de 36 anos, continua preso, em Itajaí.

O acidente provou pânico em outros motoristas que trafegavam na rodovia no momento. O caminhoneiro bateu na traseira da moto, que ficou presa na frente do caminhão, e foi arrastada na via.

Sandra foi arremessada, sofreu traumatismo craniano entre outras lesões e morreu dois dias depois no hospital. Anderson conseguiu escalar a cabine do caminhão e resistiu até que o veículo parasse num congestionamento.

 

Outros motoristas retiraram o caminhoneiro, que sofreu muitas agressões. Ele admitiu que havia tomado rebite, remédio estimulante. Além disso, a polícia encontrou cocaína na cabine da carreta.

A denúncia foi feita em 10 de março pela promotora de Justiça Cristina Balceiro de Motta. Segundo a promotora, na denúncia o motorista do caminhão assumiu o risco (dolo eventual) "de matar qualquer das pessoas que cruzassem seu caminho".