O deputado federal, Carlos Chiodini (MDB), protocolou na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 3366/2019, que proíbe o uso de cerol nas linhas das pipas e constitui como crime a comercialização de linhas cortantes, conhecidas como linhas chilenas e linhas com cerol.

Recentemente, uma catarinense perdeu a vida ao ser atingida, no pescoço, por uma linha com cerol enquanto trafegava de moto na BR-282, na Via Expressa, em São José. Josiane Marques, 34 anos, morava em Florianópolis e morreu no dia 20 de julho.

Josiane foi atingida pela linha com cerol quando passava com sua moto pela Via Expressa | Foto PRF/Divulgação

O que era uma simples brincadeira de crianças e adolescentes tornou-se uma ameaça à integridade física das pessoas, conforme a dor da família e amigos de Josiane pode comprovar. A sociedade reclama por fiscalização, multas e atitudes que possam impedir esse tipo de tragédia.

Uma manifestação contra o uso do cerol também reuniu motociclistas no Centro e na área continental de Florianópolis em homenagem à jovem. O encontro reuniu grupos de motociclistas, que transitaram em comboio em defesa do fim do uso de cerol em pipas. O protesto foi batizado de “Motoata Cerol Mata” está sendo divulgado nas redes sociais.

Carro atingido por linha com cerol teve retrovisor arranhado | Foto Arquivo Pessoal

Pena

O projeto de lei do deputado Carlos Chiodini determina detenção de seis meses a um ano e multa de R$ 10.000 (dez mil reais) a R$ 20.000,00 (vinte mil reais), sem prejuízo da aplicação das penas dos crimes mais graves.

“Precisamos eliminar essa guilhotina quase invisível, lançada ao vento, esperando por colher a sua próxima vítima”, enfatiza Carlos Chiodini.

O PL está atualmente na Coordenação de Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados

Quer receber as notícias no WhatsApp