A produção de banana entre os produtores da Asbanco (Associação dos Bananicultores de Corupá) fechou 2015 em torno de 160 mil toneladas, acima do registrado no ano anterior – 150 mil toneladas colhidas nos bananais. Porém, apesar da produção do ano passado ser maior, o preço da caixa caiu, de R$ 9,11 alcançado em 2014 para cerca de R$ 8 em 2015. E em janeiro de 2016 a caixa é comercializada a R$ 7. Segundo a engenheira agrônoma da entidade, Cláudia Sehn, o ciclo do cacho da banana é de oito a 12 meses e grande parte da safra foi colhida em outubro. Os reflexos devem aparecer este ano. “Acreditamos que terá uma queda, mas não tão significativa”. A redução no preço de venda e o aumento dos insumos (que acompanha o dólar) fizeram com que os agricultores ficassem no limite com o custo de produção. O bananicultor Heins Siewert, que produz em nove hectares no bairro Vila Isabel, colheu 40 toneladas por hectare em 2015 e é uma exceção em termos de rentabilidade: “A fruta estava bonita, por isso negociei bem, entre R$ 5 e R$ 15 a caixa. Tem que investir no insumo, na qualidade”. Em 2014, foram 36 toneladas, vendidas a R$ 8,50 a caixa. Há duas semanas, conseguiu R$ 10 pela caixa da banana. Noventa por cento da produção de Heis é da caturra e 10% da banana-prata. Período de chuvas atinge produções As fortes chuvas que atingiram a região de outubro a dezembro do ano passado prejudicaram em parte os arrozais, bananais e demais produtos agrícolas, mas as perdas variaram, segundo gestores do setor. O presidente da Cooper Juriti em Massaranduba, Orlando Giovanella, conta que a produção de arroz em 2015 foi de um milhão e quinhentas mil sacas. “As perdas variaram muito, mas teve produtor que perdeu 80% e produtor com perda de 20%”, atesta. Ano passado, a saca do arroz (50 quilos) foi comercializada a R$ 40, enquanto que em 2014 a saca foi vendida a R$ 32. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Jaraguá do Sul, Edgar Hornburg, que reúne em torno de 400 associados, esclarece que ainda não foram fechados os números referentes a 2015, mas diz que, em média, cada produtor de arroz colheu o correspondente a 150 sacas por hectare plantado. “De maneira geral, os agricultores tiveram uma perda média de 50%. Os que plantam milho tiveram mais de 80% de perda, e muitos nem chagaram a plantar”, afirma.