A inovação no tratamento do câncer é tema central das pesquisas do Centro de Novos Tratamentos (CNT) de Itajaí. Pesquisas recentes mostram o pioneirismo da imunoterapia, onde os medicamentos usam do sistema imunológico para destruir células cancerígenas.

Um estudo publicado neste mês pelo site Medscape aponta que pacientes com câncer em estado avançado, que usam a imunoterapia apresentam até o momento sobrevida de 5 anos.

O estudo mostrou o aumento na sobrevida dos pacientes em 34% das pessoas com diagnóstico de melanoma, 28% dos casos de câncer de bexiga e 16% dos pacientes com câncer de pulmão.

 

 

Outra novidade é que atualmente no mundo inteiro cientistas trabalham com a combinação da quimioterapia e da imunoterapia, em busca de tratamentos menos agressivos e mais eficazes ao paciente.

Utilizada principalmente em câncer de próstata, bexiga, pulmão e mama, a técnica surge como uma revolução no tratamento do câncer, que chega no Brasil através da pesquisa clínica.

Por se tratar de um projeto de pesquisa, quem participa recebe o tratamento gratuitamente. Tanto as consultas médicas, exames e medicações que são utilizadas relacionadas ao estudo, serão fornecidas pelo patrocinador da pesquisa.

“O estudo clínico é uma forma democrática de se fornecer um tratamento. Porque tanto pessoas com alto poder aquisitivo, quanto pessoas com menor renda estarão participando de um mesmo projeto, recebendo os mesmos tratamentos e realizando exames”, ressalta Frederico Pesce, Biomédico e Coordenador de Pesquisa Clínica do Centro de Novos Tratamentos de Itajaí.

Com informações da assessoria de imprensa.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger