Assim como os demais órgãos do corpo humano, a pele necessita de cuidados especiais. Além de rugas e manchas, a exposição excessiva aos raios ultravioleta (UV) do sol é o grande fator de risco para o desenvolvimento do câncer nessa região.

A precaução desde a infância diminui pela metade as chances de um tumor aparecer. Mesmo assim, muitas pessoas só se preocupam em aplicar o protetor solar no verão, o que, segundo a médica dermatologista Carolina Finardi Brümmer, é um erro.

O uso precisa fazer parte da rotina, diariamente, com escolha de produtos com fator acima de 30, inclusive, em dias nublados ou chuvosos. Ela recomenda evitar a exposição ao sol entre 10h e 16h e, quando se expor, preferir roupas compridas, de preferência, com proteção UV, além do uso de óculos e bonés.

O câncer de pele é o mais comum no Brasil, sendo o tipo não melanoma responsável por 33% de todos os tumores malignos mais diagnosticados.

“A doença é causada por um crescimento anormal e descontrolado das células da pele. O câncer mais comum nessa região é o carcinoma basocelular, porém, é menos agressivo. Já o melanoma é o mais temido e menos frequente”, afirma Carolina.

O tumor se desenvolve a partir dos melanócitos, que são células localizadas na camada mais profunda da epiderme. Essas células produzem a melanina, que atribui a cor para pele, cabelos e olhos, além de zelar pela proteção do DNA contra a radiação solar.

“O melanoma pode aparecer em qualquer parte do corpo, em um local que não apresentava lesão prévia ou em uma pinta que sofreu modificação. Tronco, membros e face são os lugares mais comuns. Entretanto, também pode ser encontrado nas mucosas e até genitais”, ressalta.

De acordo com a especialista, o desenvolvimento do melanoma é provocado, em 90% dos casos, pela exposição aos raios UV.

Contudo, outros motivos podem favorecer o aparecimento, como possuir muitas pintas, histórico pessoal e familiar da doença e queimaduras solares na infância.

“No início, as células do melanoma se encontram nas camadas mais superficiais da pele, facilitando a remoção cirúrgica. A chance de cura, quando diagnosticado no começo, é de 90%. Já em estágios mais avançados, o câncer está mais profundo, o que aumenta o risco de metástases, quando as células do melanoma atingem outros órgãos, como fígado, pulmão, osso e cérebro, diminuindo a chance de cura”, alerta a dermatologista.

O tratamento para o melanoma é através da cirurgia, com a remoção cirúrgica da lesão e, após, com a realização de novo procedimento para diminuir a possibilidade de o tumor reaparecer no local.

Em casos mais graves, pode ser necessária a remoção de linfonodos da região próxima ao câncer ou até quimioterapia, radioterapia ou uso de medicamentos que aumentem a imunidade e combatam as células cancerígenas.

As mudanças na aparência das pintas (nevos) podem representar evolução para melanoma. Por isso, é essencial que o paciente mantenha uma rotina de consulta médica anual.

“Com o exame clínico e auxílio de exames que avaliam as pintas da pele é possível obter o diagnóstico. Há grandes chances de cura desse tipo de câncer quando diagnosticado e tratado no início. Procurar um dermatologista ao primeiro sinal de alteração na pele pode salvar a vida do paciente”, enfatiza.

Com informações da assessoria de imprensa

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger