Durante esta semana, o OCP publicou reportagens especiais sobre as práticas sustentáveis que a comunidade e o setor industrial estão desenvolvendo no município. No encerramento da série em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente, você conhecerá a história de Carlos Alberto Reinke, de 34 anos, que aposta forte na conscientização ambiental.

A relação de proximidade de Reinke com o meio ambiente começou  ainda na infância, quando o jaraguaense ainda era apenas um pequeno apreciador que gostava de explorar a natureza.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Anos mais tarde, a paixão do, agora educador físico, se transformou em uma fonte de renda, quando ele criou uma agência especializada na realização de travessias e caminhadas ecológicas por lugares como o morro Boa Vista.

 

 

Os percursos são realizados mensalmente e os aventureiros são convidados a percorrer dez quilômetros de extensão em meio as paisagens naturais. De acordo com Reinke, em geral, o trajeto no morro Boa Vista dura mais de um dia e os participantes realizam acampamentos durante a noite, retomando as atividades no início da manhã.

Cuidado que faz a diferença

A promoção da conscientização ambiental é um lema que está presente durante as rotas que o grupo de montanhismo realiza pelas matas da região. Neste ano, Carlos Alberto Reinke, acompanhado de outros montanhistas, passou a recolher os resíduos espalhados pelos ambientes onde as travessias ocorrem.

"A ideia surgiu quando estava caminhando e encontrei um pacote de bolacha recheada no chão e coloquei no meu bolso. O pessoal falou que seria bacana se tivesse uma sacola para recolher os dejetos. Eu pensei comigo, por que não?", lembra Reinke.

Carlos revela em todas as caminhadas que o grupo realiza, são disponibilizados pacotes para cada participante recolher o lixo que encontrar pelo caminho. Ao fim do trajeto, as sacolas são entregues ao educador físico e ele encaminha o descarte em um lugar apropriado.

Os dejetos mais comuns encontrados no morro Boa Vista são papéis de bala, garrafas plásticas, embalagens e restos de comida. Reinke afirma que a quantidade de resíduos recolhidos depende da trilha em que o grupo estiver percorrendo. "Alguns caminhos são mais populares e atraem mais pessoas que acabam deixando mais lixo", explica.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Além da disponibilização das sacolas, os grupos que Reinke acompanha durante as caminhadas recebem outras orientações sustentáveis. "Indicamos que se evite fazer fogueiras em acampamentos, por exemplo", afirma. "Parece divertido, mas é uma prática que enfraquece o solo e pode deixar o local  estéril durante um bom tempo", completa.

A dedicação constante pelo fortalecimento da consciência ambiental tem rendido frutos para o educador. "A sementinha já foi plantada e acredito que gradativamente as pessoas vão dar ainda mais importância para a coleta seletiva e aos cuidados com o meio ambiente", acredita.

No próximo dia 15 de junho, o grupo de cerca de 20 integrantes vai realizar uma travessia entre o morro Boa Vista e o Pico Jaraguá. "Se depender de nós, o espírito aventureiro e a educação ambiental vão caminhar juntos neste percurso", comemora Carlos Alberto Reinke.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?