Educação ambiental, uma prática que se exercida corretamente e incentivada desde cedo pode trazer resultados satisfatórios na redução dos impactos ambientais provocados pela falta de conscientização.

Na terceira reportagem da série especial em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente, o OCP foi até o interior de Guaramirim, para conhecer um projeto importante que a primeira Escola Rural do Ensino Fundamental Jacu-açu, vem realizando com os alunos.

De acordo com a professora Elisabeth Mohr, desde 2013, os estudantes do quinto ano percorrem o bairro para recolher o lixo que é depositado incorretamente nas ruas. Os alunos também aproveitam a oportunidade para conscientizar os moradores locais sobre o descarte correto dos resíduos, entregando panfletos e sacolas plásticas aos motoristas.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Devido às chuvas que foram registradas nos últimos dias, a sujeira era bem visível na localidade. Durante a caminhada, as crianças encontraram garrafas pet, latinhas, sacos de lixo abertos e até descartes orgânicos como restos de comida.

Segundo Elisabeth, antes da ação, muitos dos estudantes começaram a indagar os professores sobre a quantidade de lixo que encontravam no caminho até a escola. "A gente fala tanto deste assunto que eles ficaram mais atentos a essa realidade fora da sala de aula", explica.

A professora revela ainda que as crianças cobram dos próprios pais quando percebem que eles têm algum comportamento nocivo ao meio ambiente.

Elisabeth comemora a ação dos alunos e aponta uma mudança positiva na comunidade. "A cada ano que os alunos vão para as ruas, percebemos que a quantidade de lixo tem diminuído", celebra.

Atitudes sustentáveis

Preocupada com o meio ambiente, a aluna Stéfani Coelho, 11 anos, revela que seus pais sempre lhe ensinaram a descartar os resíduos de forma correta. Entretanto, o cenário que ela viu pelas ruas do bairro não condiz com a educação que tem em casa.

Ela aponta os principais erros cometidos pelos moradores da região. "Recolhemos bastante sujeira. Encontramos muitos cigarros, papéis, vidro e garrafas", dispara.

Waldemar Franke conscientizando moradores nas ruas do bairro Jacu-Açu, em Guaramirim | Foto Divulgação

O aluno Waldemar Franke, 7 anos, presenciou a mesma situação e, assim como Stefani, ele também sabe que é necessário preservar a natureza para que os danos não apareçam no futuro. "Quem joga o lixo na rua está poluindo nosso planeta, essa é uma atitude muito feia", acredita.