O Sebrae fez a entrega do Plano de Marketing e do Plano de Controle e Proteção da Denominação de Origem da Banana da Região de Corupá. A iniciativa faz parte do Projeto IG da Banana da Região de Corupá, que compreende também os municípios de São Bento do Sul, Schroeder e Jaraguá do Sul. A solenidade aconteceu durante uma reunião com o grupo gestor composto por representantes das cidades, CIGAMVALI, da EPAGRI, SEBRAE, e das Associações dos Bananicultores.

As duas entregas são bastante importantes para o projeto IG DO (Indicação Geográfica de Origem) da região, comenta o gestor de projetos do Sebrae, Celso Orlando Pirmann. Segundo ele, enquanto o plano de marketing padroniza a comunicação visual, o caderno técnico determina também as boas práticas a serem utilizadas pelos produtores que vão usufruir do selo, o material servirá como parâmetro para bananicultores e auditores que utilizarem a IG DO.

A banana produzida na região de Corupá já é considerada a “Mais doce do Brasil”. No próximo mês, a região recebe o selo do IG DO em Brasília, na sede do Sebrae Nacional.

A banana pode ser produto ideal para investimentos no setor, desde que produzida em condições favoráveis para comercialização. O Plano de Marketing orienta o estabelecimento de metas e estratégias relacionadas a um produto, bem como seu preço, promoção e ponto de venda.

A Denominação de Origem da Banana da Região de Corupá possui uma área de 857,3 quilômetros quadrados, considerada a maior produtora estadual do fruto, representando 40% do total plantado. Para atender a alta demanda da região, mais de 5 mil empregos são gerados e mais de 1.000 famílias envolvidas.

Um produto com IG DO é único. Significa que ele só tem aquelas propriedades porque sua elaboração é influenciada por características ambientais ou culturais de determinada região. A obtenção da Indicação Geográfica requer a confecção de uma série de estudos que compõem o processo.