Santa Catarina amplia exportações para Ásia e América Latina

Por: Debora Volpi

20/07/2023 - 06:07

 

De janeiro a junho deste ano, Santa Catarina atingiu US$ 5,8 bilhões em exportações, segundo análise do Observatório Fiesc. Entre os grupos econômicos mundiais, o estado ampliou as vendas para a Ásia e América Latina. O montante exportado no primeiro semestre é resultado das vendas de produtos alimentícios e agropecuários, produtos intensivos em tecnologia, insumos elaborados da indústria, entre outros.

Entre os destaques na pauta exportadora, houve expansão de 15,1% da indústria de alimentos e bebidas, que gerou US$ 2,2 bilhões, e aumento de 10,2% do agronegócio, sendo US$ 474,6 milhões, graças às safras positivas de grãos e vendas de carnes suína e de aves. Entre os destinos, estão os fornecedores da Ásia, como a China, Japão, Singapura e a Índia. Além disso, o estado aumentou os embarques para a América Latina, com destaque para a Argentina, com a venda de soja, o México, com carne suína in natura e miúdos de aves, a Venezuela, na compra de arroz e o Chile, com a carne suína.

Santa Catarina se tornou o maior exportador do país de embarcações, com US$ 33,0 milhões de vendas de barcos a motor para mercados exigentes como os EUA e a Itália, e de US$ 28,0 milhões de navios de pesca para o Chile. O estado também expandiu as vendas de importantes insumos industriais elaborados, como é o caso do aumento das exportações de gelatinas e derivados para o México, de fios de cobre para Argentina e iodatos para a Bélgica.

 

Destaque para a carne suína

No primeiro semestre de 2023, Santa Catarina alcançou o melhor resultado das exportações de carne suína de toda a série histórica, iniciada em 1997. O estado foi responsável por 56,7% das receitas e 55,2% da quantidade nas exportações brasileiras de carne suína, mantendo o status de maior produtor e exportador do Brasil. O resultado é recorde para o semestre tanto em quantidade, quanto em receita. Os números são divulgados pelo Ministério da Economia e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa). No acumulado do primeiro semestre foram exportadas 320,1 mil toneladas de carne suína, com receitas de US$ 793,9 milhões. Os valores correspondem a altas respectivas de 14,7% e 25,9%, em relação ao mesmo período do ano anterior. China e Hong Kong responderam por 46,7% dos embarques catarinenses no período.

Conforme a Epagri/Cepa, os resultados positivos deste primeiro semestre devem-se ao crescimento dos embarques para quase todos os compradores. Os três principais destinos da carne suína catarinense foram a China, com crescimento de 7,4% em quantidade e 22,2% em valor, as Filipinas, com 17,8% em quantidade e 30,8% em valor, e o Chile, com 78,6% em quantidade e 105,2% em valor. No acumulado do ano, foi atingida a marca de 6,84 mil toneladas embarcadas para o país.

 

Recorde também nas importações

No primeiro semestre do ano, desde o início da série histórica, iniciada em 1997, é a primeira vez que o estado totaliza US$ 14,0 bilhões em importações no período. O recorde foi impulsionado pela indústria automotiva, que importou pneus de borracha e de borracha sintética, e o setor de bens de consumo para as famílias, com bens de consumo duráveis, como eletrodomésticos, máquinas de lavar roupa, modems e aparelhos telefônicos, entre outros. As importações também foram aquecidas com as compras de alimentos e bebidas para o consumo da população, como legumes congelados, queijos, chocolates, energéticos e refrigerantes, além dos itens de perfumaria e cosméticos.