A alimentação da gestante tem influência direta sobre a saúde do bebê, não só dentro do útero, mas também na vida adulta. Chamamos esse conceito de epigenética.

A gestação é um momento de plenitude. Nesse período, com as mudanças hormonais, do metabolismo e de hábitos são processados no corpo e na mente da gestante verdadeiros movimentos sísmicos, alterando o comportamento, o emocional e o metabolismo geral. A gestante precisa de uma boa nutrição, pois tal escolha vai exercer um forte impacto na saúde do feto, do recém-nascido, da criança até a idade adulta.

A alimentação é essencial para a manutenção da saúde da placenta e o transporte de nutrientes entre mãe e bebê. É da alimentação da mãe que vem a matéria-prima, ou seja, nutrientes necessários para que o bebê se desenvolva bem. Diante dos conhecimentos atuais sobre a importância da epigenética, é essencial cautela na escolha dos alimentos, no controle do estresse, na qualidade do sono, na prática regular de exercício físicos, pensando em uma gestação saudável e na saúde do filho a longo prazo.

Durante essa fase, cuide da alimentação, priorize alimentos com mais proteína, como carnes, peixes, ovos, quinoa. Consuma mais folhas verdes e vegetais, ricos em ácido fólico, ferro, vitamina C, vitamina A e cálcio. Lembre-se: a saúde do seu bebê depende das suas escolhas.

Dicas

  • Inclua no cardápio alimentos variados, pois quanto mais variada a alimentação, menores os riscos de se desenvolver a carência de algum nutriente;
  • Diminua o consumo de sal, substituindo-o por especiarias, como alho, alecrim, salsa, açafrão, manjericão;
  • Ingira líquidos, de preferência, entre as refeições, evitando, assim, má-digestão. Invista em chás como camomila, erva-doce e cidreira. Lembre-se que a hidratação começa de dentro para fora.
  • Abandone os refrigerantes, sucos industrializados, chá mate e chá preto (estes contêm cafeína podendo diminuir a absorção de ferro). Evite o café.
  • Evite o consumo de doces, deixando-os para festas ou para o dia do lixo.
  • Não coma até ficar empanturrada. Sentiu que está saciada, pare de comer.
  • Fique longe dos adoçantes artificiais, como aspartame e a sacarina. Vários estudos mostram os efeitos do uso de adoçantes na gestação com reflexos na saúde do bebê, como hiperatividade e excitação do sistema nervoso. Comece modificando o paladar: se usa dez gotas, diminua para oito, seis, duas gotas até parar. Você vai perceber que o paladar também tende a mudar.
  • Consuma alimentos ricos em ômega 3, como truta, sardinha, atum, salmão, semente de linhaça. Os ácidos graxos são importantes para o desenvolvimento neurológico do bebê.
  • Exponha-se ao sol, pelo menos, dez minutos ao dia, para aumentar a síntese de vitamina D, importante para a saúde óssea, coração, intestino e sistema imunológico.