Escrito por Daiane Mohr, CFP®
Escrito por Daiane Mohr, CFP®

Texto escrito por Daiane Mohr, CFP®

Nos últimos dias, vimos uma discussão interessante entre os sócios do Itaú e da XP Investimentos. O grande banco laranja iniciou uma campanha nas mídias chamando a atenção para a forma como os assessores de investimentos atuam, expondo o conflito de interesses que pode haver nessa relação.

O assunto, que estava um pouco esquecido, foi remexido e acabou chamando a atenção de muitos investidores. Especialmente quem dos que são atendidos por assessores de investimentos da própria XP.

Mas afinal, qual a diferença entre um assessor e outros profissionais de investimentos? Como saber qual é o melhor para auxiliar você e sua família?

Já trabalhei como Gerente de Banco, Assessora de Investimentos e hoje sou Consultora de Investimentos. A diferença na atuação é tão grande que quase não é possível traçar um paralelo entre esses serviços, mas como muitos investidores têm dúvidas, decidi trazer aqui a comparação de forma mais clara.

Quem é o Gerente de Banco?

São profissionais qualificados e especializados na marca que representam. Não têm o foco 100% em investimentos, pois atendem toda a demanda de um banco: crédito, limites rotativos, cartão de crédito etc.

Sua remuneração é de um salário fixo + variável conforme atingimento de metas e receitas. O investidor não sabe abertamente quanto paga por esse atendimento.

Quem é Assessor de Investimentos?

Representam uma plataforma de investimentos com produtos de diversas instituições. O assessor é um representante dos produtos, não um conselheiro do investidor. Portanto, a análise e decisão sobre os investimentos devem ser feitas por parte do investidor.

Como o próprio investidor precisa ser capaz de avaliar as opções e escolher a melhor para sua carteira, é necessário ter conhecimento de mercado e aprofundamento em investimentos e produtos. Esse serviço é apenas indicado para pessoas que não precisam de aconselhamento para tomar decisões.

Quem é o Consultor de Investimentos?

É uma pessoa contratada pelo investidor para ajudar a analisar sua carteira, avaliar o mercado e tomar decisões. Esse atendimento é ideal para quem possui outras ocupações e não pode dedicar tempo para analisar o mercado financeiro com profundidade.

O consultor é responsável por fazer uma análise detalhada e individual, entender as necessidades, objetivos de vida e, então, desenhar uma estratégia de investimentos personalizada.

Sua remuneração é transparente e geralmente incide sobre o patrimônio. O investidor sabe exatamente o quanto paga por esse serviço e pode avaliar se vale a pena ou não. Esse é o modelo considerado mais transparente, utilizado em países de economia madura, como Estados Unidos, Reino Unido e Austrália.

E agora, qual o melhor?

Cada um desses profissionais foi essencial para seu momento na história. Afinal, a evolução na forma de investir começou com os gerentes de banco, que conectavam clientes a produtos financeiros da instituição.

Melhorou com a chegada com assessores de investimentos, que ofereciam um leque muito maior de produtos em diversas instituições. E evoluiu com o consultor de investimentos e o gestor de ativos: profissionais que, além de ajudar o investidor a acessar produtos diversos, podem oferecer aconselhamento de forma ativa, pois devolvem comissionamentos do mercado aos seus clientes e cobram de forma transparente.

Não existe uma só forma melhor de investir. Existe o que é melhor para você. Minha dica é: avalie qual o formato que você considera que faz mais sentido para seu momento de vida e tenha alguém em quem você possa confiar ao seu lado.