O presidente do PP, Ademir Izidoro, comandou a primeira reunião da sigla. As mudanças no governo e as movimentações entre MDB e PSD não entraram na pauta.

Izidoro diz que ainda é cedo para fazer conjecturas em torno da eleição do próximo ano, mas defende que é preciso estar preparado.

“O PP vai se estruturar para o futuro. Hoje fazemos parte de uma coligação que vai até dezembro de 2020. Vamos procurar fazer cada vez melhor o nosso trabalho nas áreas que somos responsáveis e também por toda a administração”.

Menos tempo

Além de adiantar das 17h30 para as 17h o horário da sessão plenária, o presidente da Câmara, Marcelindo Gruner (PTB), quer promover algumas alterações no Regimento Interno.

Uma das propostas deve diminuir de dez para oito minutos o tempo da chamada Palavra Livre, quando os parlamentares podem discorrer sobre qualquer assunto.

Punição para corruptos

O vereador Anderson Kassner (PP), durante a primeira sessão do ano, falou sobre as expectativas quanto a 2019 e o início de novos governos nos estados e no país.

“É um ano importante para toda população. A campanha acabou, chegou a hora de governar”, mencionou.

O parlamentar também lamentou mais um escândalo no cenário nacional, desta vez envolvendo integrantes da Cruz Vermelha, suspeitos de desviar mais de um bilhão de dinheiro público que deveria ser investido na saúde.

“Isso é uma vergonha, um absurdo. Esperamos que aumente a punição para os corruptos”, pontuou.

Revisão do eleitorado

De 11 de março até 31 de maio acontecerá a revisão do eleitorado de Schroeder, conforme determinação do TRE.

A coleta de dados biométricos, fotografia, assinatura digitalizada e atualização de dados cadastrais terá que ser feita no Cartório Eleitoral de Jaraguá do Sul.

Hoje, Schroeder conta com 13.377 eleitores, dos quais, 9.563 já compareceram e revisaram seus dados, restando, portanto, pouco menos de 4 mil eleitores ainda a cadastrar.

Obra investigada

O vereador Jaime Negherbon (MDB) voltou a mencionar a situação da escola Darci Franke Welk, no bairro Tifa Martins. O processo que envolve as obras inacabadas está sendo alvo de investigação por parte da Polícia Federal. “A PF andou por aí, ouvindo algumas pessoas, tirando fotos. Que punam os culpados”, disse.

Em 2008, foi sancionada a Lei Municipal 5.115, na qual o município de Jaraguá do Sul doou área ao Estado para viabilizar a construção da unidade escolar.

Os trabalhos iniciaram em 2011, com previsão de entrega para 2013, só que até agora os serviços não foram concluídos. Na estrutura, já foram investidos mais de R$ 7 milhões.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?