A violência contra mulheres, crianças e idosos é uma mazela de nossa sociedade local que nada nos orgulha. Os índices já se mostravam preocupantes antes da pandemia, agora tem se tornado crítico, apesar dos esforços, ações e políticas públicas.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil possui a quinta maior taxa de feminicídio do mundo. Um lastimável e vergonhoso indicador que nos obriga reconhecer que somos um país que negligencia nos cuidados com mulheres, crianças e idosos.

Importante considerar, outrossim, que a violência não se encerra no ato da agressão ou do assassinato. Ela se mantém em curso, seja pela impunidade, seja pela limitação do Estado em garantir amparo proteção e justiça.

Um levantamento feito pela Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI) de Jaraguá do Sul, aponta que 25% dos boletins de ocorrência registrados pela Polícia Civil no ano de 2019, foram de violência contra a mulher. Número considerado elevado.

Solidária com essa indesejada realidade, a Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul realiza nesta quinta-feira (19), uma transmissão ao vivo pelos canais do Facebook e Youtube, cujo propósito é formalizar a instalação de sua Procuradoria da Mulher.

A missão desse órgão será receber, examinar e dar encaminhamentos às autoridades competentes, das denúncias de violência e discriminação contra a mulher, bem como, sugerir, fiscalizar e acompanhar a execução de programas do governo que visem à promoção da igualdade de gênero, promovendo audiências públicas, pesquisas e estudos relacionados aos direitos da mulher.

A iniciativa será exitosa por ter em sua essência uma mentoria e um olhar feminino. Representará um avanço importante no combate à violência de gênero, que persiste como fenômeno arraigado na nossa cultura patriarcal e machista.