Por Nelson Luiz Pereira_conselheiro editorial do OCP

 

Mais um ano vai se findando. Apesar da circunstancial pandemia que a todos tem impactado, o momento requer atitude de resistência, resiliência, cuidado e continuidade da vida e dos negócios.

Muito provavelmente, desde o início da pandemia, o latente desejo de cada ser humano tem sido o de “sobrevivência”. Nesse contexto, o termo sobrevivência assume uma conotação ampla, incorporando, de forma interdependente, vidas, projetos, negócios e cooperação.

Em que pese as perdas, os ganhos e as restrições impostas, o encerramento de um ano, sempre será digno de celebrações, e esse não poderá ser diferente. Todavia, não desfrutamos de confortável situação econômica, por conta da crise.

Por isso, uma simples atitude individual, estimulada pelo senso de coletividade e reciprocidade poderá fazer uma significativa diferença para todos. Os dias que passam a anteceder o Natal, representam uma oportunidade para demonstrar que a crise não precisa ser por carência de colaboração e senso coletivo.

Neste período, o varejo é naturalmente estimulado e o movimento Black Friday tem, recorrentemente, impulsionado as vendas. É compreensível que recursos financeiros sempre sejam regidos pela lógica da escassez, motivando qualquer aquisição a orientar-se pela razão do melhor preço, qualidade e condição.

Além disso, as restrições provocadas pela pandemia, têm impulsionado as compras via internet. Entretanto, se a condição em jogo é de sobrevivência, em seu sentido amplo, então, aproveitar a oportunidade Black Friday priorizando as compras locais, passa ser uma digna forma de nos fortalecermos como sociedade.

A união de forças contagia. É com essa atitude, conciliada com espírito natalino que suplantaremos a crise.

 

Telegram Jaraguá do Sul