Vamos falar de entrópio, uma anomalia bem comum, mas quando identificada, pode ser tratada e reestabelecer a qualidade de vida do seu pet.

O que é: refere-se a uma alteração na margem palpebral muito comum entre os cães em que a margem da pálpebra se vira para dentro, onde ocorre o contato dos cílios e pelos entram em contato com a superfície da córnea.

Onde acontece: essa alteração pode acontecer em apenas uma pequena porção da pálpebra, como nos Shih Tzus, lhasa Apsos, Pugs, pequineses, que ocorre no canto nasal ou acometer uma grande região das pálpebras, como no caso dos Shar Pei e Chow Chow, e normalmente ocorre nos dois olhos. Lembrando que várias outras raças podem apresentar esta anomalia.

Quais as consequências: o contato destes cílios e pelos diretamente na córnea desencadeia uma irritação persistente que leva a inflamação, como ceratite, e pode evoluir para machucados na córnea, ocasionando no futuro úlceras de córnea. Em casos mais graves essa úlcera contaminada por bactérias poderá levar a perfuração do olho e consequente cegueira.

Mas como identificar se seu pet precisa de tratamento?

As consultas regulares com um médico veterinário são ideais para esse acompanhamento. Mas os cães normalmente demonstram desconforto coçando a região, aumento do lacrimejamento e o olho normalmente fica mais avermelhado. A córnea também pode estar mais opaca ou azulada.

Tem tratamento?

Os cães acometidos precisam passar por correção cirúrgica para posicionar adequadamente as pálpebras e voltarem a ter uma vida normal e feliz.

Juliana Bernardo Fischer | Médica Veterinária especializada em oftalmologia | CMRV 4564