A Prefeitura de Jaraguá do Sul pretende ampliar o número de OCR’s, equipamentos de leitura de caracteres, no município.

A ideia da Secretaria de Planejamento é formar uma espécie de “cinturão de segurança” e, com isso, aumentar a vigilância sobre veículos suspeitos em toda a cidade, que deve se tornar a mais monitorada do Brasil

A Diretoria de Trânsito de Jaraguá do Sul conta com 39 equipamentos espalhados por toda a cidade. O estudo realizado pelo setor aponta a necessidade de instalação de 28 novas câmeras.

Os equipamentos serão colocados em pontos estratégicos do município como, por exemplo, os acessos principais.

Uma reunião da Prefeitura com representantes da empresa que gerencia os OCR’s também será realizada.

 

 

Os locais onde serão instalados os novos equipamentos foram levantados e um orçamento será feito para avaliar quanto vai custar a instalação.

Em seguida, ocorre o processo licitatório para adquirir as câmeras. Os recursos para ampliação do monitoramento virão do Convênio de Trânsito. 

“Eu garanto que não haverá cidade mais monitorada em todo o Brasil. As Informações são lançadas no sistema e, se esse veículo estiver trafegando em Jaraguá do Sul, será identificado", assegura o secretário de Planejamento, Eduardo Bertoldi.

Segundo ele, com a ampliação do sistema não haverá como um veículo entrar ou sair da cidade sem ser identificado pelos OCR’s. 

Investigação de crimes

Bertoldi explica que os OCR’s são utilizados pela Agência de Inteligência da Polícia Militar e pela Divisão de Investigação Criminal da Polícia Civil no monitoramento de veículos suspeitos.

A tecnologia vem sendo utilizada na elucidação de crimes e vigilância de atividades suspeitas na cidade. 

No último ano, o OCR se mostrou fundamental na identificação de veículos com registro de furto e roubo, na investigação de crimes graves como homicídios e também no combate ao tráfico de drogas em Jaraguá do Sul.

Bertoldi afirma que essa utilização despertou a necessidade de ampliar o monitoramento através do sistema. 

“Hoje, o que as pessoas necessitam nos grandes centros? Segurança. As pessoas precisam trabalhar e fazer as suas atividades com segurança. O município prima por isso e acaba investindo nesse tipo de sistema", aponta.

O  secretário ainda destaca que a Prefeitura de Jaraguá do Sul sempre foi parceira da Polícia Militar, da Polícia Civil e "esse é mais um investimento para manter os bons índices de criminalidade”.

Cinturão de segurança 

Uma reunião com o delegado regional Fabiano dos Santos Silveira, o comandante do 14º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Márcio Leandro Reisdorfer, e Bertoldi foi realizada nesta semana.

No encontro, foram discutidas as utilizações do equipamento dentro do trabalho das da Polícia Civil e da PM. 

Em conversa com o delegado regional, o comandante da PM, a Prefeitura, vimos a necessidade de criar um cinturão de segurança e fazer a identificação de veículos utilizados em crimes e que estejam trafegando em Jaraguá do Sul”, afirma o secretário.

O sistema é acessado de forma remota e isso faz com que a utilização dos OCR’s seja ainda mais rápida no trabalho de investigação criminal e na prevenção de crimes.

A falta de efetivo tanto na Polícia Militar quanto na Polícia Civil acaba sendo compensada com o uso de tecnologias e, desse modo, ajudando na manutenção dos índices de criminalidade. 

“Com o OCR, nós realizamos o acompanhamento de veículos suspeitos. As informações colhidas são analisadas pela Agência de Inteligência e repassadas para as guarnições de policiamento ostensivo, que realizam as abordagens e acompanhamentos", explica Reisdorfer.

"No tráfico de drogas, nos auxiliam a monitorar a movimentação dos suspeitos”, completa.

Tecnologia e segurança

A Divisão de Furtos e Roubos e a Divisão de Investigação Criminal têm utilizado constantemente a tecnologia do OCR.

O trabalho de elucidação de crimes realizado pelas duas divisões especializadas de investigação criminal tem sido beneficiado pela sistema de monitoramento de veículos e, desse modo, facilitando a atuação dos agentes no combate ao crime. 

"O uso de modernas ferramentas tecnológicas e a qualificação progressiva dos recursos humanos disponíveis são instrumentos essenciais para o contínuo aperfeiçoamento das atividades de investigação criminal e, com isso, assegurarmos a efetiva repressão qualificada dos crimes que mais afetam a paz social", comenta o delegado regional. 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger