Com o envelhecimento da população e tendo como base a prevalência de que o câncer de intestino se dá nas pessoas com mais de 50 anos, a tendência é um aumento no número de casos nos próximos anos.

Mais de 15 milhões de casos novos de câncer no mundo são esperados para 2020 de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A campanha Setembro Verde tem como objetivo oferecer informações sobre o câncer de intestino e as formas de prevenção em relação à doença.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA) o câncer é a segunda maior causa de morte no Brasil, com 190 mil óbitos por ano. Só neste ano a estimativa é de 596 mil novos casos.

O coloproctologista, Dr. Guilherme Canfield, destaca que desse total, 34.280 casos serão somente de câncer de cólon e reto (intestino). Além disso, a maior proporção tende a ser na região Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), já que nesses estados a doença é a segunda e a terceira mais frequente entre homens e mulheres, respectivamente.

“Esta maior incidência do câncer de cólon e reto na nossa região se deve ao fato de o modo de vida ser mais semelhante ao de países desenvolvidos, em que há uma elevada prevalência de excesso de peso e obesidade, inatividade física, tabagismo, ingestão de bebida alcoólica e consumo de carnes processadas”, explica.

O câncer de cólon pode ser evitado em 90% dos casos. Segundo o especialista, quase sempre o CCR surge como um pólipo (lesão frequentemente benigna) que cresce na parede do intestino e que pode se tornar um câncer caso não seja diagnosticado e retirado a tempo. “Retirando o pólipo podemos agir de forma precoce para prevenir o câncer”, afirma.

É altamente curável. Mas, é preciso ressaltar que, no Brasil, os índices de cura ainda não ultrapassam 50%, pois a maioria dos doentes são tratados em fase já bastante avançada.

Além de identificar precocemente, existem meios de se prevenir esse câncer como a adoção de alguns hábitos saudáveis que podem fazer a diferença ao longo dos anos.

Sintomas

Nos estágios iniciais da doença algumas pessoas podem não ter sintomas, e quando eles aparecem podem variar, dependendo do tamanho e localização do câncer. Os sintomas mais comuns são:

Mudança nos hábitos intestinais, incluindo diarreia ou constipação, fezes pastosas de cor escura, fezes afiladas (em fita), sangramento retal ou sangue nas fezes, desconforto abdominal persistente como cólicas, gases ou dor, sensação de que o intestino não esvazia completamente, fraqueza ou fadiga, perda de peso inexplicável, náuseas, vômito e sensação dolorida na região anal, com esforço ineficaz para evacuar.

Medidas para prevenir o câncer de intestino

A principal maneira de prevenir o câncer de cólon é realizar uma colonoscopia a partir do 45 anos, mesmo que não possua sintomas. Caso o exame do paciente esteja normal, deve ser refeito a cada cinco anos. Outras maneiras de prevenir o câncer de intestino são:

  • Inclua muitas fibras na alimentação (de 25g a 30g por dia). Os alimentos ricos em fibras são: frutas frescas, vegetais e cereais integrais (aveia, farelo de trigo, grãos, etc.).
  • Prefira sempre os alimentos com fibras. Até em biscoitos e barras energéticas você pode encontrar opções que contêm fibras;
  • Coma cerca de duas xícaras e meia de frutas e verduras todos os dias;
  • Reduza a quantidade de gordura, principalmente as de origem animal (carne vermelha e queijos);
  • Evite o álcool, combata a obesidade e não fume.

Sobre o especialista

O Dr. Guilherme Canfield é formado em medicina pela Universidade Positivo. Possui residência médica em cirurgia geral e coloproctologia pelo Hospital Universitário Evangélico de Curitiba. Coordenador e professor da disciplina de Clínica Cirúrgica da Faculdade de Medicina Estácio de Sá, em Jaraguá do Sul. Atua na CliniCanfield como coloproctologista, cirurgião geral e realiza exames de colonoscopia. CRM 18115 | RQE PROCTOLOGISTA 11597 | RQE CIRURGIÃO GERAL 9990