A Radioterapia é uma modalidade de tratamento consagrada no tratamento do câncer, e nasceu com a descoberta do Radium por Marie Curie, na França e da descoberta dos Raios X, por Roentgen, na Alemanha.

Experimentos médicos inicialmente vislumbraram que estas radiações tinham a capacidade de eliminar os tumores malignos e estudos adicionais, através do melhor conhecimento da biologia tumoral e dos efeitos da radiação sobre os tecidos humanos normais, propiciaram avanços nunca antes imaginados.

O radioterapeuta, Dr. Ricardo Polli, que atende no Hospital São José de Jaraguá do Sul, explica que o incremento dos equipamentos de imagens, tomografia, ressonância magnética, PET/CT, possibilitou aos médicos identificar com clareza os tecidos doentes, os tecidos sadios e planejarem tratamentos radioterápicos mais precisos e de menor toxicidade, tanto aguda (durante o tratamento) como as tardias (meses ou anos pós tratamento).

“Aliado a estes novos equipamentos de imagens, os equipamentos de radioterapia incorporaram tecnologias proporcionando técnicas de tratamento complexas, com excelentes respostas terapêuticas e de menores efeitos colaterais”, conta.

Dr. Ricardo destaca que o Serviço de Radioterapia do HSJ, cujos tratamentos são hoje, todos de Alta Definição, denominados 3D - Conformacionais, são planejados com utilização de Tomografia computadorizada dedicada (o tomógrafo instalado no serviço, simula o tratamento de radioterapia) aliado a técnicas de fusão de imagens e com a utilização de lâminas metálicas que bloqueiam a radiação indesejada emitida pelo Acelerador Linear, protegem os tecidos sadios dos efeitos da radiação durante a terapia e proporcionam tratamentos altamente efetivos do ponto de vista técnico.

Detalhes sobre o IMRT

A modalidade do IMRT – Intensidade Modelada de Feixe (Radioterapia de Intensidade Modelada de Feixe) é uma evolução da técnica 3D (conformacional) em que as lâminas podem se movimentar durante o tratamento, comandadas por softwares, resultando na capacidade de planejarmos onde há necessidade de maiores doses de irradiação e em locais em que a radiação não agrida ou agrida pouco os tecidos sadios e, desta forma, minimiza os riscos de perda total ou parcial das funções dos tecidos vizinhos aos tumores, no pós tratamento.

O IMRT, atualmente disponível em 51% dos serviços de Radioterapia do país e de 43% dos serviços localizados na região Sul do país, já é realidade em Jaraguá do Sul.

“Imagine a possibilidade real de, por exemplo: irradiarmos um tumor na boca e preservar a função da deglutição dos alimentos e da produção de saliva no pós tratamento? Esta modalidade de tratamento nos permite realizar tal façanha, anteriormente impensável”, ressalta Dr. Ricardo.

Em outros casos é possível irradiar um tumor localizado nas regiões mais profundas do cérebro e proteger áreas nobres, que tem uma resistência menor à radiação e manter as funções destes órgãos preservadas ou minimamente alteradas. Irradiar o estômago, pâncreas ou outra víscera abdominal, com vários órgãos circunvizinhas que tem baixa tolerância a irradiação, como por exemplo os rins, que necessitam serem protegidos do excesso da irradiação, para manterem sua função de filtração do sangue no pós tratamento. Ou então, irradiar a a próstata, liberando doses seguras, nos órgãos vizinhos, reto e bexiga, preservando suas funções no pós tratamento.

“Esta modalidade de tratamento nos permite realizar tal façanha, anteriormente impensável”, pontua o especialista.

Com o IMRT, tecnologia disponível no serviço de Radioterapia do HSJ, existe a possibilidade técnica de oferecer esta modalidade de tratamento, quando indicada para as diversas situações clínicas, visando tratamentos de alta qualidade, tratando com efetividade os tumores malignos e minimizando efeitos colaterais decorrentes do tratamento radioterápico.

Onde encontrar

O Hospital São José (HSJ) fica na Rua Doutor Waldemiro Mazurechen, 80, no Centro de Jaraguá do Sul. Contato: (47) 3274-5000. Acesse o site da instituição (hsaojose.com) para ficar por dentro das novidades. Acompanhe também nas redes sociais: Facebook (@hospitalsaojosedejaraguadosul) e Instagram (@hospital_saojose).

O texto contou com a participação do especialista Dr. Ricardo Polli (CRM SC 3659 | RQE 2873) que atende no HSJ.