Não espere nove meses para ter dúvidas a respeito do tipo do parto que deseja. A preparação começa desde o momento que se descobre a gestação, faça exercícios, caminhada, evite farinha branca e açúcar, capriche nos alongamentos, fortifique a musculatura do assoalho pélvico tudo vai te ajudar quando sua hora chegar.

Pensando em apoiar as gestantes e dar a elas informações claras sobre o assunto, a ginecologista e obstetra, Dra. Thaís Lebtag elaborou respostas sobre os questionamentos comuns nesse período. Confira!

OCP: Quais são os sinais de trabalho de parto?

Dra. Thaís: Perto da data do parto a mulher poderá sentir sua barriga endurecer, essas contrações precisam ser cadenciadas e ritmadas. Antes de sair para o hospital, tome um banho, repouse e veja se as contrações continuam fortes e regulares, existem alguns aplicativos de celular que podem ajudar a marcar as contrações.

Dias antes do trabalho de parto poderá perceber a saída do tampão mucoso, muco grosso e amarelado, como clara de ovo com ou sem rajas de sangue. Caso venha um sangramento vermelho vivo, semelhante à menstruação, a orientação é que ela siga imediatamente para o hospital.

Por ser um momento de muita ansiedade da mulher, é importante que ela, em caso de dúvidas busque atendimento profissional para ser avaliada. Aproveite o pré-natal para se preparar para todas as etapas que virão e tire todas as dúvidas para se sentir tranquila e confiante para o parto.

OCP: Preciso me depilar para o parto?

Dra. Thaís: Não é obrigatório. Caso a mulher queira aparar os pelos, tudo bem, esse procedimento não interfere no momento do parto e se for da vontade dela fazer, que a depilação seja realizada com antecedência, pode ser com cera!

Caso escolha a depilação com gilete, no dia do parto, pode haver pequenas micro lesões na pele que pode ser porta de entrada para infecção.

OCP: Preciso ficar em jejum para parto normal?

Dra. Thaís: Dê preferência a comidas leves e sucos naturais de fácil digestão, em pequenas porções. É importante que se alimente mesmo estando com náuseas porque o trabalho de parto exige muita energia. Se ela estiver em uma condição de avaliação por risco de cesária pode ser solicitado jejum.

OCP: Preciso fazer lavagem intestinal?

Dra. Thaís: A mulher não precisa, de forma nenhuma, fazer lavagem intestinal. Não há problema caso a mulher evacue durante o parto e isso é totalmente natural.

OCP: Que fazer se a bolsa romper?

Dra. Thaís: Caso a bolsa rompa no nono mês e o líquido for transparente não é uma emergência, pode se organizar, tomar um banho e ir ao hospital com calma.

OCP: E se a bolsa não romper naturalmente, o médico vai precisar rompe-la?

Dra. Thaís: A própria evolução do trabalho de parto pode levar ao rompimento, pode ser necessário um pique na bolsa para ela romper, pode ajudar a acelerar o trabalho de parto ou avaliar as condições do líquido amniótico. Se for esse o caso, precisa sempre ser conversado com a mulher, explicando antes o motivo.

OCP: Até quando deixar evoluir o parto normal? Existe limite de tempo para a evolução do parto?

Dra. Thaís: O tempo que dura o trabalho de parto pode variar para cada mulher. Considera-se trabalho de parto ativo quando a grávida já está com 3 a 4 cm de dilatação e contrações efetivas, ou seja, três a cinco contrações com duração de 20 a 60 segundos, em 10 minutos. Logo, se a mulher estiver com 3 cm e uma contração apenas ela não está em trabalho de parto. Por muitas vezes a contratação ainda é irregular então o ideal que a paciente fique em casa e descanse, ficar no apoio da família é importante nesse momento.

Muitas mulheres, achando que já estão em trabalho de parto afirmam que esperaram até 40 horas antes do bebê nascer. Trata-se de um engano, já que ela não estava em trabalho de parto ativo, e sim no período de pródromos (nos casos onde é preciso induzir o parto até chegar nas contrações e fase ativa).

É normal que o trabalho de parto evolua, mais ou menos, um centímetro por hora. Com o período expulsivo, que é finalmente quando a cabeça do bebê está perto de sair, daria um total de 10 a 12h. Mas esse tempo é muito variável conforme o caso. Se estiver na fase ativa há três ou quatro horas sem evolução nenhuma, precisa entender que pode haver necessidade de intervenção, de uma cesariana por algum motivo.

OCP: Quando é necessário fazer episiotomia?

Dra. Thaís: A episiotomia é um corte feito na região do períneo (área muscular entre a vagina e o ânus) para abrir o canal de parto e diminuir a chance de lacerações graves. É usada quando o período expulsivo é prolongado e existe necessidade de acelerar o processo para não prejudicar o bebê (desaceleração do batimento cardíaco fetal). A mulher deve ser sempre informada sobre a necessidade de intervenção antes de realizar o procedimento.

OCP: Quando o fórceps é usado no parto?

Dra. Thaís: O fórceps de alívio é um instrumento cirúrgico que causa muito receio nas mulheres. O fórceps é semelhante a uma colher é utilizado quando o bebê já está no canal vaginal e, seja por condições maternas (exaustão, dificuldade para fazer o puxo) ou fetais (suspeita de estado fetal não tranquilizador) é necessário retira-lo do canal de parto rapidamente.

OCP: Como e quando se deve fazer força durante o parto normal?

Dra. Thaís: A mulher não precisa fazer força durante o trabalho de parto como um todo. O corpo dela já está dilatando e quando vem a contratação, o que ela precisa fazer é respirar e esperar a contratação passar. Só fará força quando o corpo dela demandar. E que horas vai ser essa? Quando o bebê estiver saindo e só nesse momento. Então quando estiver com dilatação total, dez centímetros, o bebê coroou e a cabeça do bebê pressionou o assoalho pélvico naturalmente ela vai sentir vontade de fazer força, o corpo mandará que ela faça isso.

Para lidar com essa etapa é importante que a mulher use os recursos disponíveis durante a dilatação como exercícios de bola (pilates), andar, agachar, banho morno.

OCP: Como é parto induzido e quando ele é necessário?

Dra. Thaís: O parto é induzido quando se utiliza fármacos que estimulem a contratação e a dilatação. Podem ser usados medicamentos diretamente na vagina ou intravenosos. Há indicações quando a mulher chegou a 41 semanas de gestação e ainda não entrou em trabalho de parto. Ou a bolsa rompeu, e ainda não há contrações eficazes. Condições maternas de gestação de risco como diabetes, síndromes hipertensivas, restrição de crescimento fetal, entre outras.

OCP: O que é parto humanizado?

Dra. Thaís: O parto humanizado pode ser normal ou pode ser uma cesária. Ser humanizado é respeitar a mulher, individualizando a assistência para cada um, de acordo com sua necessidade. É oferecer uma assistência personalizada, ouvir, escutar, atender dentro do possível as necessidades e os desejos dela.

Sobre a especialista

A Dra. Thaís Straliotto Lebtag (CRM/SC 14849 e RQE 12.383) atende no Hospital e Maternidade Jaraguá, na rua dos Motoristas, 120. E também na Policlínica Rio Branco, na rua Barão do Rio Branco, 207, 1º andar, sala 05. Contato pelo telefone (47) 3275-1063.