Foto Eduardo Montecino/OCP News
Foto Eduardo Montecino/OCP News

As chuvas do fim de 2018, que trouxeram diversos estragos à região, danificaram a ponte pênsil do Baependi. Apesar de ser tratada como prioridade pela Secretaria de Obras de Jaraguá do Sul, ela segue interditada pela Defesa Civil.

A ponte pênsil Jacob Alfredo Emmendoerfer faz a ligação entre a rua Miguel Salai, no Centro, e a rua Ney Franco, no bairro Vila Baependi. Há três meses, ela está com o pilar comprometido após o rompimento de cabos.

Por ser tombada pelo patrimônio histórico, a reforma ficou a cargo da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo. A secretária Natália Lúcia Petry destaca que a obra precisa seguir as normas técnicas de restauro. “Não pode simplesmente reformar e fazer paliativos”, destaca.

Natalia e o secretário de Obras de Jaraguá do Sul, Onésimo José Sell, reuniram-se na quarta-feira (6) para discutir os processos da reforma.

Segundo a secretária, foi contratado o projeto executivo para a obra de restauração e o engenheiro tem 20 dias, prazo começou no dia 6 de março, para apresentar o projeto, com memória descritiva e custo da obra.

“Depois que o engenheiro entregar o projeto, abriremos um edital de licitação para contratar uma empresa especializada”, afirma.

Para que a reforma esteja dentro das normas técnicas, o projeto será acompanhado pelo fiscal do Setor de Patrimônio Histórico, Carlos Barato. “A obra precisa respeitar as características originais da ponte”, explica a secretária.

Moradores pedem solução

A aposentada Janete de Souza, de 63 anos, enfatiza que, mesmo com a ponte danificada, pedestres, ciclistas e até motociclistas continuavam passando pela estrutura. A moradora conta que escutava barulho de pessoas quebrando a barreira que a Defesa Civil colocou.

Janete ressalta que a ponte é importante para os moradores da região, que por ali conseguem se locomover rapidamente de um bairro para o outro. “Eles (Prefeitura) poderiam agilizar a reforma dessa ponte”, frisa.

 

 

Há duas semanas, a Secretaria de Obras retirou parte da ponte para que os usuários efetivamente parassem de utilizá-la. Sell diz que foi necessária essa medida, pois as pessoas estavam danificando as barreiras da Defesa Civil e se colocando em perigo. “Fizemos isso pensando na segurança deles”, explica.

A ponte do Baependi foi tombada pelo Decreto Municipal 9.035, em 2012. As outras pontes que foram tombadas no mesmo ano foram Abdon Batista, no Centro, Emílio Meier, entre os bairros Barra do Rio Molha e Jaraguá Esquerdo e Freimundo Kraiser.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?