Mais de cinquenta dias se passaram desde que o fogo consumiu completamente a loja Coisa de Louco, no bairro Vieira, em Jaraguá do Sul.

Na manhã daquela quinta-feira, 31 de janeiro, foram necessárias apenas algumas horas para destruir o trabalho de pouco mais de um ano desde a abertura do empreendimento. Agora, a ideia é que a reabertura da loja ocorra em maio, após um trabalho minucioso.

 

 

Se o fogo não demorou para consumir todas as mercadorias e comprometer o prédio, que foi demolido depois, o trabalho do sócio-proprietário Eduardo Luís Ropelato está longe de acabar.

Sem conseguir sequer estimar até agora o valor do prejuízo, ele trabalha, em parceria com a contabilidade, para identificar e quitar os pagamentos de fornecedores. Os 12 funcionários que a loja possuía já tiveram as rescisões realizadas, afirma ele.

Fumaça do incêndio pode ser avistada de longe | Foto Redes Sociais

De acordo com Ropelato, a loja possuía mais de 400 fornecedores cadastrados e todos os dados se perderam no incêndio.

“Eu perdi todas as informações, estava tudo lá, documentos, contas a pagar, lista de fornecedores, movimento do mês, tudo. Então, para chegar em todo mundo é difícil. É um trabalho bem moroso”, salienta.

E foi justamente por perder todos os dados que ele sequer consegue estimar o valor do prejuízo.

O proprietário estima que, para conseguir colocar tudo em ordem novamente, serão necessários aproximadamente dois anos, uma vez que a loja não tinha seguro para cobrir o prejuízo, que será minimizado apenas com o passar do tempo e com a reabertura do comércio, que deve ocorrer em breve.

Solidariedade dos fornecedores

O empreendedor conta que diversos fornecedores têm se mostrado compreensivos e solícitos com a situação e esticado os prazos de pagamento até que a empresa consiga se reerguer. Além disso, após um ano de contato direto, a credibilidade gerou uma onda de solidariedade.

“Muitos deles, com os quais nós costumávamos comprar grandes quantidades, estão dispostos a colaborar, voltar a fornecer, para que a gente possa voltar a girar o capital”, diz.

Fogo começou por volta das 6h30 | Foto Divulgação

Contando com a colaboração dos fornecedores, Ropelato conta que a reabertura da loja é questão de tempo e já tem uma data projetada para que a Coisa de Louco volte a funcionar: o mês de maio.

“Claro que não depende só de nós, mas gostaríamos de abrir antes do Dia das Mães”, explica. A data é considerada a segunda melhor em vendas, diz ele, e por isso seria importante estar de portas abertas para iniciar a recuperação do que o fogo destruiu em janeiro.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?