Na manhã desta quarta-feira (17), pela primeira vez, a jornalista Miriam Leitão se manifestou sobre o cancelamento de sua participação na 13ª Feira do Livro de Jaraguá do Sul.

O desabafo aconteceu durante o Jornal da CBN, no quadro "Hora do expediente". Miriam estava fazendo seu tradicional comentário, quando o apresentador Milton Jung se manifestou a favor da jornalista e prestou solidariedade.

 

 

Escritor e editor de livros, José Godoy também falou sobre o caso no programa. "Quando você impede alguém de falar, na minha opinião, isso se trata de um crime", avaliou.

Ela agradeceu o apoio e completou dizendo que iria participar do momento "biblioteca afetiva", falando sobre o que a transformou em leitora e escritora.

Confira o comentário completo

"A gente nem ia lá falar de assuntos polêmicos, e sim sobre o que nos levou aos livros, o que nos transformou leitores e escritores, os livros que escrevemos, amamos e que nos aproximam.

 

O assunto era "biblioteca afetiva". Estávamos entusiasmados com a ideia de falar (sobre o tema) porque seria muito bom isso.

 

Mas, aí. A intolerância venceu desta vez. Você sabe, o livro sempre foi tratado como uma ameaça, né? Principalmente contra mentes autoritárias", declarou a jornalista na CBN.

 

O sociólogo e marido de Miriam, Sérgio Abranches, que também foi cortado da Feira do Livro após manifestações contrárias nas redes sociais de Jaraguá do Sul, publicou em sua conta no Twitter um trecho do poema alemão de Bertolt Brecht:

Reprodução Twitter

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger