Dados da academia americana de dermatologia (DDA) apontam que alopecia, caracterizada pela redução total ou parcial de cabelos em determinada região da cabeça, atinge mais de 2 bilhões de pessoas no mundo.

Segundo Sociedade Brasileira do Cabelo, 50% das mulheres têm alguma queixa relacionada à queda de cabelo.

E a calvície que é a diminuição aguda dos fios, acomete 5% da população feminina. Só em houve 2018 um aumento de 40% do número de mulheres que procuraram por tratamentos falando deste tema.

Ao contrário do que pensamos, o transplante capilar não é restrito aos homens e tem atraído a cada dia mais mulheres.

O expert no tema, Dr. Thiago Bianco, explica que não só em casos de pós-menopausa, como também as jovens estão a procura desse tipo de restauração.

 

 

Bianco pontua que diferente da calvície masculina que é localizada em regiões específicas no couro cabeludo, a feminina é difusa (espalhada).

“Toda a área afetada sofre da diminuição da massa capilar, tornando o procedimento mais delicado, porém, tão efetivo quanto o transplante em homens, o que irá depender da habilidade do cirurgião”, diz o doutor.

O médico ainda reforça sobre algumas complicações no organismo feminino, relacionadas a queda dos cabelos. Como:

  1. Diminuição da ferritina (proteína localizada na região do fígado);
  2. Patologias hormonais como doenças da tireoide;
  3. Dietas muito restritivas;
  4. Queda capilar pós-gestacional;
  5. O eflúvio telogeno é uma condição que pode levar à calvície.
Com informações da assessoria de imprensa.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger