Quando falamos sobre a história de um lugar, imaginamos a chegada dos colonizadores, a construção de casas e a união das pessoas para fazer com que o terreno prospere. Mas a história de qualquer cidade começa muito antes, com os povos nativos.

Na localidade onde hoje é Guaramirim, já viviam indígenas muito antes da chegada dos europeus. No entanto, é difícil dizer exatamente quem foram os primeiros habitantes desta terra. Sabe-se que tribos Guaranis habitaram a região e inclusive, temos uma aldeia de Guaranis Mbyas, em Araquari. O município possuía um sítio arqueológico nas proximidades do rio Poço Grande, o sítio Poço Grande.

Foi um local explorado e estudado na década de 1970 e nos anos 2000, períodos em que foram localizados fragmentos de cerâmicas tupi-guarani.

Colonização

Diversas colônias foram criando-se ao longo do tempo .Nossa região já era explorada desde a existência da Colônia Dona Francisca e da Colônia Blumenau, na década de 1850.

Na década de 1880, surge o primeiro povoado de Guaramirim, o Núcleo de Brüderthal, formado por um grupo religioso liderado pelo pastor Wilhelm Lange, patrono do arquivo histórico da cidade.

Pastor Wilhelm Lange e sua esposa Claire, século XIX | Foto: Biblioteca/Arquivo Histórico de Guaramirim

Fugidos da Rússia já com destino à colônia Dona Francisca, a comunidade precisava escolher o território onde iria se estabelecer. Naquela época, as fronteiras eram muito dinâmicas e eles escolheram as terras de Guaramirim já na chegada.

Em seguida, houve a formação de Itapocuzinho I, região onde hoje se localiza o bairro Imigrantes e depois, surgem as comunidades Batistas Letas de Jacu-Açu e Ponta Comprida, que se estabeleceram no fim do século XIX e início do XX.

Farmácia e Correios no Núcleo Colonial Barão do Rio Branco, na década de 1950 | Foto: Biblioteca Pública Municipal/Arquivo Histórico de Guaramirim

Essas comunidades, a partir da década de 1910, passaram a fazer parte de um núcleo criado pelo Governo Federal, o Núcleo Colonial Barão do Rio Branco, onde hoje se encontram as localidades de Rio Branco, Jacu-Açu, Ponta Comprida, Putanga.

Mapa do Núcleo Colonial Barão do Rio Branco, 1918 | Foto: Biblioteca/Arquivo Histórico de Guaramirim

Guaramirim teve uma diversidade muito grande de colonizadores, foram russos, letos, portugueses, alemães, italianos e também muitos colonos nacionais, vindos de várias regiões do Brasil.

Emancipação

Em 1919, foi criado o 4º Distrito de Bananal, que abrangia além do território onde hoje é Guaramirim, terras de Schroeder e Massaranduba.

No dia 13 de fevereiro de 1949, Massaranduba tornou-se um município independente reunindo terras de Blumenau, Itajaí e Joinville. O ato não agradou os moradores do Distrito de Bananal.

Depois de alguns meses de negociação politica, no dia 28 de agosto de 1949, ocorreu a instalação de Guaramirim e José Mota Pires foi nomeado como o primeiro prefeito.

Entrega dos documentos de emancipação politica do município ao prefeito Emílio Manke Junior, em 1949 | Foto: Biblioteca Pública Municipal/Arquivo Histórico de Guaramirim

Logo depois, Emílio Manke Junior foi eleito democraticamente e recebeu os documentos de emancipação política do município das mãos do então prefeito de Joinville, João Herbert Érico Colin.

Fatos que marcam a história de Guaramirim

A criação do Distrito de Bananal e a emancipação politica da cidade são marcos de extrema importância para a história do município. Pois, graças a estes, hoje Guaramirim tem sua própria independência.

Um fato muito importante foi a construção da ferrovia e da estação ferroviária, inaugurada em 1910, foi responsável pelo desenvolvimento da região onde atualmente se encontra o centro da cidade.

Foto Arquivo Histórico

A obra fez com que a cidade se conectasse mais rapidamente a outras, além de contribuir a carga de produtos e passageiros, que também trazia visitantes a região.

Completando seus 72 anos, Guaramirim é cheia de história, desenvolvimento e evolução.

Hospital Santo Antônio, em 1977 | Foto: Biblioteca Pública Municipal/Arquivo Histórico de Guaramirim