O paradigma vigente da pandemia de Covid-19 se refletiu em uma piora expressiva nos indicadores econômicos apontados por especialistas e empresários jaraguaenses na edição de maio do Relatório OCP de Tendências Econômicas, que já demonstrava uma tendência negativa na edição de abril.

A primeira edição do relatório, divulgada em março, revelou um otimismo cauteloso, que deu lugar a uma retração limitada em abril - mas agora, em maio, aponta para um cenário de negatividade.

Divulgado mensalmente, o relatório traz a expectativa de lideranças locais sobre indicadores vitais da economia brasileira para o exercício de 2020, bem como a perspectiva de comportamento de nossa economia regional.

Foto Studio OCP

O propósito do instrumento analítico é servir de bússola para empresários, empreendedores, investidores e público em geral, para condução mais segura de seus negócios.

Os analistas fundamentam suas avaliações e projeções, considerando a natureza, especificidade e comportamento de cada indicador apontado.

Produto Interno Bruto

A expectativa do empresariado de Jaraguá do Sul e região é que o Produto Interno Bruto (PIB, a soma de toda a produção econômica do país) caia 3,7% em 2020, retração comparável a de 2015.

Na primeira edição do relatório, em março, se esperava um crescimento de 1,9%.

A inflação para o consumidor amplo, o IPCA, deve ficar em 2,6%, indicando uma economia fria - ainda não deflacionária, mas com preços estagnados para manter o consumo.

A estagnação é a opinião mais otimista dentre as expressadas pelos agentes econômicos consultados: 15,4% deles veem a economia regional estagnada em 2020, com os 84,6% restantes prevendo retração.

Cotação do dólar

O prognóstico negativo é visto também na cotação do dólar, que ainda espera uma melhora em comparação com a vigente - fechando esta segunda-feira a R$ 5,78 - mas consideravelmente mais elevada que a registrada nas edições anteriores do relatório.

A expectativa é que a moeda feche o ano a R$ 5,05, contra os R$ 4,31 de março e R$ 4,78 de abril.

Taxa Selic

A taxa básica de juros, usada pelo Comitê de Política Monetária para tentar controlar a crise, por sua vez, deve seguir baixa: a projeção de maio é de que ela feche o ano na faixa de 2,98%, pouco abaixo dos atuais 3%.

Quer mais notícias do Coronavírus COVID-19 no seu celular?

Mais notícias você encontra na área especial sobre o tema:

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul