Por Nelson Luiz Pereira_conselheiro editorial do OCP

 

O processo de imunização em Jaraguá do Sul segue seu curso, porém, condicionado ao ritmo do Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19.

Embora esse compasso ainda seja lento, a expectativa é de breve e gradativa intensificação dos fornecimentos da vacina. A recente aprovação, pelo plenário da Câmara dos Deputados, do projeto de lei que permite a compra de vacinas por estados, municípios e iniciativa privada, certamente contribuirá sobremaneira para a celeridade da aplicação do imunizante.

Nos encontramos em meio a uma pandemia que priva, quando não subtrai, vidas e negócios. Naturalmente, já se experimentou alternativas de prevenção e tratamento, de toda ordem, porém, a conclusão é a de que somente a vacina será capaz de erradicar ou dominar este vírus.

Frente a este cenário, informação confiável passa a ser uma grande aliada nessa guerra. Então, se cabe ao poder público garantir o pleno acesso aos recursos e ao medicamento, caberá também à sociedade, o senso de coletividade e cidadania em formar opinião com fundamentos sólidos e sensatos, no tocante a importância da imunização.

Desinformação e conspiração fortalecem o vírus. Aos meios de comunicação comprometidos com a verdade, cabe informar com responsabilidade e embasamento essencialmente científico, de que a vacina é um medicamento necessário e seguro.

Deve-se, outrossim, reconhecer e respeitar a liberdade e decisão de cada cidadão em aderir ou não à vacinação. Entretanto, não se pode ignorar a condição de que quem não se vacina, não coloca em risco apenas sua saúde, mas também, a de sua família e amigos, além de contribuir para continuidade, resistência e mutação do vírus.

Se todos, realmente, desejamos nos livrar dessa pandemia, conscientização e massificação da vacina, são as palavras de ordem.