Quem tem mais de um gato já pode ter percebido que alguns deles não são muito ligados em beber água. Os primeiros felinos surgiram no deserto, o que fazia a oferta de água ser escassa. Sendo assim, o aparelho urinário do gato foi adaptado para que a concentração da urina fosse a maior possível. Devido a essas características evolutivas, ocorre que nem todo gatinho tem muito ‘gosto’ pela água, mas nem por isso a ingestão hídrica deixa de ser importante nessa espécie, assim como é em outras.

Dessa maneira, é nossa obrigação como tutores estimular nossos queridos bichanos a tomar água. E temos várias formas de fazer isso: Mantenha a oferta de água sempre abundante e faça trocas frequentes; O gato não gosta de encostar os bigodes na borda do pote, podendo até mesmo rejeitar água por causa disso, então o bebedouro deve ser sempre largo o suficiente para que o mesmo não encoste as vibrissas; Os bebedouros devem estar pelo caminho, de modo que ele não tenha que percorrer um longo percurso para chegar até ele (quem tem gato também sabe que quando ele é adulto, pode ficar não muito adepto também aos exercícios físicos). Além disso, a oferta de dieta úmida (patês e sachês) é aconselhável, sendo uma maneira do gato “comer” a água, assim como fazia com a presa no deserto. Alguns bichanos vão preferir água corrente, sendo os bebedouros estilo fontes, ótimas opções também. Outra boa alternativa é colocar pedras de gelo e ‘picolés’ de sachê nos dias bem quentes.

Cada gato vai escolher se hidratar de uma maneira, observe e encontre a melhor forma para os seus.

Escrito por: Dra. Ana Paula Paie da Fonte - CRMV 7352 - Médica Veterinária Nefrologistas e Urologista