Nas crianças, o aumento do peso começa gradativamente. Quando elas mudam o comportamento, passam a comer mais, apresentam sinais de ansiedade ou de compulsão alimentar, algo está acontecendo no cotidiano que contribui para o ganho de peso. Pode ser dificuldade escolar, brigas em casa, a chegada de um irmão, alteração metabólica, entre outras diversas causas.

Assim que observarem mudanças no peso ou no comportamento, os pais precisam buscar ajuda para avaliação médica, nutricional ou psicológica. Além da ajuda profissional, os cuidados com a alimentação são fundamentais.
É preciso evitar a compra de “porcarias”, como salgadinhos, chips, bolacha recheada, doces em geral. Se a criança consumir essas coisas, seguramente, não vai ter vontade de comer arroz e feijão.
Se não tiver em casa, a criança não come. Quem faz as compras são os pais e não a criança. Vale conversar com a criança e explicar a importância de se alimentar melhor, fazer negociações envolvendo celular, televisão, atividades que eles gostam. Muitas vezes, a criança nem provou determinado alimento e diz que não gosta, por isso, é importante oferecer uma vez, outra e outra até que ela prove. Tenha paciência!
Quando o pai toma refrigerante e quer que a criança ingira água é complicado. O exemplo vem de casa, dos pais. Bons hábitos são construídos em família, diariamente. É importante que os pais tenham consciência alimentar. Não precisam ser mestres, somente entender que o refrigerante não é uma opção saudável, assim como salgadinhos, frituras, açúcar. No início, é desafiador, mas vale começar com pequenas mudanças, substituindo o pão por frutas com cereais, por ovos, buscando opções integrais e sem glúten, já que estas versões geram menos inflamações no intestino.
Outra dica é substituir os refrigerantes e sucos de caixinha por sucos naturais e água. Além disso, sugiro diminuir o consumo de açúcar branco, optando pelo mascavo e usando uma quantidade menor. Aos poucos, o paladar muda.
As refeições devem ser feitas na mesa, não no sofá, nem no quarto. Como os pais são exemplos e as crianças tendem a imitar, sirvam-se com mais saladas, comam mais frutas. Façam o que vocês querem que o filho faça. Não adianta falar para o filho comer comida saudável se vocês não comem. Negociem lanches uma vez por semana, assim como “porcaritos”. Aos poucos, os hábitos se modificam.