Indumak distribui mais de R$ 2 milhões em participação de lucros

Foto: Divulgação

Por: Debora Volpi

07/02/2024 - 06:02

Em 2023, ao celebrar seus 60 anos no comando do mercado brasileiro de empacotamento vertical, a Indumak registrou um significativo crescimento de 22%, superando as metas estabelecidas para o ano. Um grande evento foi realizado na sede da empresa para a comemoração dos resultados, envolvendo colaboradores, membros do conselho e diretoria para enfatizar o valor central da marca: o relacionamento próximo e a valorização das pessoas.

Durante a celebração, a Indumak anunciou ainda a distribuição de mais de R$ 2 milhões do lucro de 2023 entre os colaboradores, por meio do Programa de Conquista nos Resultados (PCR). A ação, que não só fortalece os laços empresa-colaborador, também impacta positivamente a economia local, reafirmando o comprometimento da companhia com o bem-estar e o desenvolvimento da comunidade onde se orgulha de estar associada.

Porto de Navegantes investe R$ 1 bilhão para receber os maiores navios do mundoA Portonave, detentora da autorização para operar o maior terminal de contêineres do Sul do Brasil, no Porto de Navegantes, iniciou em janeiro uma obra de R$ 1 bilhão em seu cais. As melhorias irão capacitar o porto para receber navios de até 400 metros de comprimento, os maiores em circulação hoje no mundo.

As obras, as maiores desde o início do empreendimento em 2008, serão executadas em duas fases, ao longo de 27 meses: enquanto um lado do porto estiver em obras, o outro seguirá em operação normalmente. Em 2023, o terminal movimentou 1,3 milhão de TEUs, o que representou 15,4% do mercado de movimentação de contêineres no Brasil. O resultado, que significou um crescimento de 10% em relação a 2022, foi um recorde alcançado mesmo com as operações sendo interrompidas por mais de 20 dias, durante as fortes chuvas de outubro e novembro.

Arezzo &Co e Soma querem costurar o maior negócio da moda brasileiraOs dois maiores grupos de moda do país, Soma e Arezzo, anunciaram esta semana que estão em fase final de negociações para se tornarem uma só companhia, se convertendo em uma potência com faturamento combinado de R$ 12 bilhões. Com a associação, Alexandre Birman, da Arezzo &CO, se tornaria o CEO da nova empresa, enquanto Roberto Jatahy, do Grupo Soma, o CEO da business unit de vestuário feminino.

Com portfólios complementares, o negócio pode trazer sinergias de até R$ 4,5 bilhões. As duas gigantes da moda brasileira, juntas, comandam hoje 22 marcas, muitas delas extremamente conhecidas pelos consumidores brasileiros. É da Arezzo, por exemplo, a responsabilidade pela Vans no Brasil, enquanto está sob a tutela do Grupo Soma a Hering, comprada em 2021, por R$ 5,1 bilhões.