Hoje o assunto é a Halitose – o conhecido mau hálito - que não é uma doença, e sim um sintoma de que há algo errado no organismo.

A halitose não é percebida pelo portador do problema, mas pode provocar repulsa nas pessoas com quem ele se relaciona.

Com o uso de máscaras, por conta da pandemia, muita gente está percebendo seu próprio hálito, quando expira pela boca ou fala dentro da máscara e logo inspira pelo nariz.

CAUSAS

A maioria dos casos de mau hálito tem origem na própria boca, principalmente na área posterior da língua, região que contém um grande número de pequenas criptas nas quais as bactérias podem alojar-se. A boca possui um ecossistema próprio, onde vivem centenas de espécies de bactérias com diferentes necessidades nutricionais. Quando essa flora digere proteínas, podem ser liberadas substâncias que têm mau cheiro, como o gás sulfídrico - com odor de ovo estragado - e o escatol, com odor de fezes, por exemplo.

Outras causas pode ser o mau estado dos dentes, inflamação nas gengivas, alimentos entre os dentes e abscessos.

Também a boca seca, seja por jejum, seja por desidratação, por estresse ou por medicamentos, provoca mau hálito; bem como respirar pela boca e falar por muito tempo;

O consumo excessivo de álcool ou infecções como amidalites e sinusites igualmente são causas frequentes de mau hálito.

COMO EVITAR

Para evitar a halitose, escove os dentes, use fio dental e escove a parte de trás da língua pelo menos três vezes ao dia, após as refeições;

Beba muita água, mantenha a boca sempre úmida - chicletes ou balas sem açúcar ajudam a aumentar a salivação.

Evite o jejum prolongado;

Também é importante verificar com o médico para ver se os níveis de glicemia estão bons e se o estômago, rins e intestinos não têm alteração, pois isso poderá influir em seu hálito.

Se nada disso auxiliar, procure ajuda para descobrir a causa do odor desagradável na boca. O tratamento adequado pode exigir a participação de especialistas em diferentes áreas.