No espírito do Outubro Rosa, mês dedicado à saúde da mulher, vamos abordar a Endometriose, uma doença que muitas mulheres ainda desconhecem.

Endométrio é a camada interna do útero, que todos os meses provoca a menstruação. Endometriose é a presença do endométrio fora do útero.

Algumas mulheres, principalmente jovens, podem ter a endometriose sem saber e sem ter nenhum sintoma aparente, e só descobrem a doença quando têm dificuldade para engravidar.

Quando aparecem, os sintomas mais comuns da endometriose são:

  • Cólica menstrual;
  • Dor na região pélvica fora do período menstrual;
  • Dor profunda durante a relação sexual;
  • Alterações intestinais durante a menstruação: dor para evacuar, diarreia e/ou sangue nas fezes;
  • Dor para urinar ou sangramento na urina durante o período menstrual; e
  • Dificuldade para engravidar.

Se você convive com esses sintomas, e suspeita que possa ser endometriose, o caminho certo é consultar o ginecologista.

O exame ginecológico é extremamente útil no diagnóstico, em alguns casos é possível identificar a presença da doença realizando-se o toque vaginal, mas não há exames laboratoriais para a detecção da endometriose. O ultrassom e a ressonância nuclear magnética da pelve realizada por profissionais especializados podem identificar lesões de endometriose maiores do que 5mm, assim como os cistos de ovário relacionados à doença (endometriomas).

O tratamento da endometriose pode ser cirúrgico ou com o uso de medicamentos hormonais. Essa decisão depende do local de acometimento da doença e do sintoma referido pela paciente, mas em ambos os casos, a doença pode ser controlada.

Não há prevenção da endometriose, mas o diagnóstico precoce pode evitar o avanço da doença, permitindo a indicação de tratamento adequado.

Para as mulheres da terceira idade, uma boa notícia: quando a mulher entra na menopausa, a queda na produção de hormônios faz com que endometriose regrida na grande maioria dos casos.