Vivemos em um ambiente tóxico. A todo instante nos deparamos com cosméticos, perfumes cheios de parabenos, produtos de limpeza repletos de componentes químicos, alimentos com veneno, exposição a metais pesados, como alumínio, mercúrio, chumbo, arsênico e níquel e parasitas. Além disso, ainda temos as toxinas produzidas pelo próprio organismo e o envelhecimento natural do corpo, que deixa o metabolismo mais lento e a imunidade fragilizada. Tudo isso somado à falta de amor próprio e de aceitação e a dificuldade em perdoar, impacta a saúde e muito!

Parece complexo, mas, na realidade, é muito simples e tem solução. Só é necessário sair da zona de conforto. Muitas vezes, uma doença vem para chamar a atenção. É um sinal: ou você muda ou perde a vida. A confiança, a fé, a vontade de viver, são fundamentais para enfrentar um momento delicado.

Eu percebo sempre a doença como uma nova chance de viver, um momento transformador. É nesse ciclo que é necessário sair do piloto automático e assumir as rédeas da vida, começar a dizer “não”, posicionar-se diante da família, da empresa, e ter mais tempo para si.

Precisamos nos conectar mais com a natureza. Estamos interligados o tempo todo, muitas vezes, sem perceber o ar que respiramos, o céu, o mar, a terra, a lua, as estrelas. Tudo faz parte do nosso equilíbrio. Falta aterramento, andar descalço, pisar na grama, na areia, na terra para descarregar essa quantidade grande de radiação invisível a que estamos submetidos. Vivemos imersos em um ambiente de radiação eletromagnética proveniente de celulares, wifi, redes de antenas, micro-ondas. Tudo desequilibra o organismo e a nossa vitalidade depende da conexão com a natureza e com o nosso interior. Para isso, precisamos frequentar ambientes com íons negativos como cachoeiras, rios, parques, mato e praia porque o ar e a quantidade de oxigênio são maiores nesses lugares.

Hoje, fala-se muito em inteligência emocional, focada no cérebro. Porém, esquecemos do coração. É ele que precisamos escutar. O intelecto usa máscaras para esconder sofrimentos e racionaliza o tempo todo. O coração não mente, é o que é. Escute a voz do seu coração, siga o instinto, ouça a sua música interior.

Seja grato pela vida, ore mais, viva a vida de verdade, curta a família, libere perdão, ame-se mais, culpe-se menos, pare de se julgar, escolha amigos alto astral, diga não para coisas que não fazem bem, escolha melhor os alimentos, veja um filme, deixe a louça para amanhã, foque mais no ser. Tudo isso é um desafio, mas para quem ama a vida tudo vale a pena. Para quem está vivo, sempre existe uma chance.

Cristiane Molon

Médica especializada em nutrologia com pós-graduação em Prática Ortomolecular e Saúde da Família, além de cursar especialização em Medicina do Esporte.

www.cristianemolon.com.br