Alerta Monkeypox (varíola dos macacos)

Por: Editorial

30/07/2022 - 07:07

Enquanto o mundo nem bem se despede da pandemia do coronavírus, outro inimigo se posta na fila como ameaça. O vírus da vez é o monkeypox, ou varíola dos macacos, que causam as chamadas bolhinhas ou vesículas na pele, o que os ingleses chamam de “pox.”

A ciência já sabe que a transmissão se dá, fundamentalmente, de uma pessoa para outra por contato próximo com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e objetos contaminados.

Recomenda-se manter o hábito da higienização e ficar atento aos sintomas característicos como dor de cabeça, dor de garganta, tosse, febre acima de 38,5°C, linfonodos inchados, erupções cutâneas dolorosas, dores musculares e fraqueza profunda. Segundo especialistas, o tempo de incubação do vírus pode variar entre 7 a 21 dias.

Vale enfatizar que na semana passada, a Organização Mundial de Saúde (OMS) decretou emergência global para esse vírus. Trata-se de uma medida prudente, já que não há vacina contra esse vírus disponível no Brasil.

Os imunizantes contra a varíola comum já erradicada, até ofereceriam alta proteção, porém, não são mais produzidas. Diante desse nebuloso cenário, se faz oportuno alertar que, a exemplo do que aconteceu com a pandemia, a politização virou sinônimo de desinformação e, considerando ainda, que grande parcela da população se orienta em retóricas não científicas, a presente ameaça pode ser potencializada por conta disso.

Por isso, buscar informações seguras, de fontes reconhecidas é um poderoso antídoto nessa fase inicial. Diante de qualquer sinal suspeito, busque um médico.