Quando chega essa época do ano é inevitável que lembranças de outros tempos não nos venham a cabeça. A cidade enfeitada para o Natal, os comerciais na televisão, o comércio no maior agito, tudo isso para nos prepararmos para o nascimento de Jesus Cristo! Opa, será isso mesmo?

Para mim, nos tempos de escola, essa data era sinônimo de desespero. Sabia de sã consciência que não tinha cumprido minha missão de estudante durante o ano e teria que ralar nos 45 minutos do segundo tempo, se quisesse passar de ano.

O desespero começava tomar conta de mim, quando as primeiras propagandas de Natal começavam a aparecer na televisão. Quem que é meu contemporâneo irá lembrar dessa canção das Lojas Alfred: “Natal tem que ser assim, alegria em todos os corações”, ou aquela do Banco Nacional: “Quero ver você não chorar, não olhar pra trás”, pois eu sabia que o resultado do boletim escolar estava prestes a chegar.

Enquanto batia o desespero em mim, via meus amigos indo à piscina, curtindo o início das férias escolares enquanto eu teria que ficar mais uma semana na angústia entre livros e provas para conseguir obter uma nota altíssima, na maioria das vezes maior do que a soma dos três bimestres anteriores juntos. Então rolavam alguns tipos de promessa como subir o Molha a pé, acender um maço de velas, caso conseguisse passar de ano.

O que faltava era acreditar em mim, não deixar a pior parte nas mãos de Deus. Tudo bem, é necessário você ter fé, mas saber que se você não fizer sua parte, Deus não irá fazê-la por você. Interessante, como somos acostumados a jogar a culpa dos nossos fracassos nas costas dos outros, e nesse caso, o outro era Deus.

E no nosso dia a dia, agimos também dessa forma, justificando nossos erros atribuindo a culpa dos nossos fracassos a outras pessoas, ao invés de assumirmos nossas falhas, fraquezas e defeitos.

É tão mais fácil botar a culpa nos outros, né? Afinal de contas, infelizmente aprendemos a agir dessa maneira.

O mais interessante, que depois de passar por esse sufoco todo, prometia que no ano seguinte seria diferente, que iria me empenhar desde o início do ano, que seria o aluno mais aplicado, estudioso, mas era tudo da boca pra fora.

Que bom que o tempo passa e com ele vem o amadurecimento que traz junto com todo o aprendizado através desse erros todos, a consciência que temos que mudar.

A mudança é importante para que possamos seguir em frente, e o melhor de tudo, é que temos toda essa bagagem através das experiências vividas para dizer que tudo valeu a pena.

Sim, os erros fazem parte de toda essa construção da nova realidade de vida. Afinal de contas, são eles é que ajudam a realizar toda essa transformação e a construção de um novo indivíduo.

Mas prestem atenção, é necessário querer mudar, senão de nada adiantou todo o sufoco da experiência vivida.

No Pirata

Marujada! Vamos juntos lutar contra esse vírus que está por nossa cidade e pelo mundo!

Mesmo com o novo decreto de liberação para abrir bares e restaurantes até as 22h. o Pirata rock Bar vai fechar por um tempo, para ajudar a combater o vírus nesse momento tão delicado. Agradecemos a todos que estiveram presentes nos últimos dias e que respeitaram as regras e normas do bar conforme decreto da prefeitura de Jaraguá do Sul, agradecemos a Prefeitura por todo apoio, Polícia Militar e Bombeiros de Jaraguá do Sul.

Marujos, continuem fazendo a parte de vocês em casa no dia a dia, precisamos usar máscara, álcool gel, não façam aglomerações (mesmo que de forma privada) e mantenham o distanciamento social necessário. Se cuidem, fiquem bem!

Nos veremos em breve...

Abraços do Capitão.

Vamos embora que a litorina não espera.
Até semana que vem!