Artigo escrito por Tiago Alves, CEA, Consultor de Investimentos.

Ser criança é ser feliz todos os dias: correr, brincar até cansar, desfrutando intensamente de todos os instantes da vida. Nós, pais e mães, temos uma grande responsabilidade: nós ajudamos na formação, sonhando que um dia essa criança se torne uma pessoa feliz, bem sucedida e com bons princípios.

Uma educação de sucesso precisa de equilíbrio entre afeto e disciplina para que nossos filhos se sintam amados, ao mesmo tempo em que aprendem valores morais e estabelecem limites. Nesse dia 12 de outubro celebramos o Dia das Crianças. Pensando nesse dia, trago algumas dicas aos pais e mães sobre como ensinar educação financeira para as crianças, ajudando-as a tornarem-se pessoas bem sucedidas no futuro.

Mesada

Para que as crianças comecem a aprender educação financeira, elas precisam lidar com o dinheiro, ter noção dos gastos e saber que, para conseguir comprar algo, será necessário renunciar a algumas vontades - e isso nem sempre será uma tarefa fácil.

O pagamento de uma mesada é uma estratégia que pode ser muito útil para a educação financeira infantil. A periodicidade mensal ou semanal fica a critério de cada família. Defina um valor que seja adequado, de acordo com a faixa etária e com os gastos do seu filho, explicando que a responsabilidade por aquela verba é exclusivamente dele.

Estimule o hábito de poupar

A figura dos pais e mães nesse processo é fundamental. No Brasil, de acordo com uma pesquisa feita pela Anbima em 2017, aproximadamente 75% da população brasileira não faz nenhum tipo de aplicação financeira, resultando em umas das menores taxas de poupança do mundo.

Se a educação financeira fizesse parte da grade curricular obrigatória nas escolas, teríamos uma realidade bem diferente. Nesse contexto, o nosso papel é essencial. Cabe a nós provocar esse hábito, incentivando que os filhos poupem hoje para ter amanhã.

Estimular que a criança poupe um valor é essencial para que ela se torne uma pessoa mais equilibrada e, consequentemente, com menos problemas financeiros na vida adulta. O desafio é: como fazer isso? A forma mais fácil é criar um pequeno planejamento.

Os pais e mães podem usar a criatividade nessa hora para ajudar os filhos a conter suas despesas. Ajude a criança a identificar quais gastos são desnecessários e faça algumas simulações simples para que a criança consiga entender que, quanto mais poupar, mais rápido ela chegará aos seus objetivos maiores.

Ensine o valor do dinheiro

Desde cedo é importante mostrar para as crianças que dinheiro não vem de graça: requer esforço e dedicação. Uma maneira fácil de ensinar isso é criando algumas atividades remuneradas, como ajudar na lavagem do carro, por exemplo. Essas atividades irão aguçar a visão empreendedora da
criança, ajudando no controle dos seus gastos.

Explique conceitos como juros e inflação

Você deve estar se perguntando, como vou explicar isso para o meu filho? Não se preocupe, eu deixei essa dica por último porque ela não é a mais essencial, mas tem sua importância no processo de formação da criança.

Aprender conceitos básicos como juros e Inflação ajuda a criança a entender a real importância de guardar dinheiro. Ela irá entender que existe um prêmio chamado “juros”, no qual as pessoas ganham ao deixar o dinheiro guardado.

Ela também conseguirá compreender que o dinheiro perde valor no tempo por conta da inflação, o que pode fazer com que ela busque ainda mais cedo traçar as próprias estratégias pensando no longo prazo.

Com as ferramentas que exemplifiquei, você já vai sair na frente de muitos pais e mães que esquecem de aliar a educação financeira à vida dos seus filhos. Saber administrar o próprio dinheiro é uma das principais habilidades de pessoas bem sucedidas - e começar esse exercício desde pequeno ajuda os seus filhos a conquistarem ainda mais cedo a sua autonomia financeira.

Tiago Alves. Contato: tiago.alves@warren.com.br | warren.com.br