Foto Divulgação/Warren
Foto Divulgação/Warren

Texto escrito por Caio Rangel, CEA da Warren.

Falar de independência financeira (ou a famosa aposentadoria) é um dos principais objetivos do investidor. Afinal, viver da renda gerada pelos investimentos é uma ideia atraente para quem sonha com um futuro tranquilo.

Para colocar esse sonho em prática é necessário muito planejamento, já que não é uma meta que se atinge da noite para o dia. A não ser, é claro, que você ganhe na loteria (e, mesmo assim, o dinheiro pode acabar mais rápido do que pode imaginar, mas esse é assunto para outra coluna!)

Se você deseja tornar isso realidade, vou dar algumas dicas neste artigo, Mas, antes, gostaria de mostrar uma equação que julgo ser muito importante para atingir a sua tão sonhada independência: Dinheiro x Tempo x Rendimento ($ x T x %).

Afinal, o que é mais importante?

Sobre o dinheiro e o tempo: a sonhada independência financeira começa agora. O “quando” você começa a investir é muito mais importante do que “quanto” você vai guardar inicialmente. Muitas pessoas deixam para depois essa decisão por acharem que possuem muito pouco hoje ou porque têm outras prioridades.

Para te mostrar o quão importante é começar cedo, trago o seguinte exemplo: uma pessoa que começa a investir, aos 20 anos, 10% dos seus rendimentos, possui um horizonte de 30 anos até o seu objetivo. Outra pessoa, que começa a investir apenas 10 anos depois, terá que fazer um esforço maior para chegar ao mesmo objetivo, investindo o dobro do valor da primeira pessoa.

A sua liberdade financeira depende da sua disciplina. Isso, na prática, significa que investir precisa fazer parte da sua vida. Sempre que seu salário entrar, saiba que a porcentagem que você se comprometeu a investir tem ser respeitada. É um compromisso que, lá na frente, vai ser muito valioso. Lembre-se da equação que citei.

Mas quais são as melhores opções para investir e garantir que o seu dinheiro vai realmente render? É aí que entra a questão do rendimento: pesquise e faça a escolha certa. No Brasil, estamos acostumados a guardar o dinheiro na poupança e, a cada rendimento que ela gera, achamos que fizemos a escolha certa.

Só que, atualmente, a poupança rende menos que a inflação. Ou seja, por mais que você veja o dinheiro crescendo, ele não cresce na mesma velocidade que os preços à sua volta aumentam. Na prática, o seu poder de compra diminui e o seu dinheiro, que podia estar melhor aplicado, se desvaloriza.

Hoje, existem muitas opções seguras para aplicar o seu patrimônio e vê-lo crescer de verdade. Uma forma de investir são os fundos de investimentos, nos quais o seu dinheiro é aplicado em uma série de títulos e/ou diferentes empresas.

Alternativas à poupança hoje em dia não faltam - e o melhor de tudo é que você encontra informação suficiente para fazer uma boa escolha sem ter de se tornar um especialista em Economia.

O que fazer quando chegar lá?

Você foi disciplinado, guardou, investiu e finalmente acumulou o montante necessário para conquistar a sua independência financeira. E agora? É a hora de aproveitar os frutos desse esforço. Seja lá o que você escolher, essa é a hora que você deve se preocupar tanto com um planejamento como o que te fez chegar até aqui, porque gastar tudo e voltar à estaca zero não pode ser uma opção!

O compromisso que levou você a investir também deve acompanhá-lo na hora de desfrutar seus rendimentos sem culpa, mas com disciplina! Assim, todos os esforços que você fez ao longo do caminho vão valer a pena.

Afinal, o que é mais importante: o valor que você investe, o tempo pelo qual investe ou o quanto você ganha nesse investimento?

Não existe uma resposta correta, nem mesmo uma receita. O que posso dizer é que, o quanto antes começar a se organizar, melhor será o seu futuro e mais rápido vai chegar lá sem ter de guardar muito mais por ter pouco tempo ou até mesmo correr riscos desnecessários.

Caio Rangel, CEA da Warren. Contato: caio.rangel@warren.com.br | warren.com.br

Foto Divulgação/Warren