Texto escrito por Ana Kamila

Em meu último texto, apontei alguns erros comuns cometidos por quem começa a investir, como a falta de conhecimento e de disciplina. Hoje, trago mais 6 erros! Espero que, depois de ficar sabendo quais são eles, você tenha menos insegurança para cuidar do seu dinheiro.

A ideia é justamente o oposto: com informação suficiente, você ganha ainda mais confiança para começar sua vida no mundo dos investimentos com o pé direito. Vamos lá?

1. Depender de dicas e indicações de supostos gurus

Hoje em dia, muitas pessoas se dizem “especialistas de mercado”, trazendo em suas redes sociais indicações de investimento e promessas milagrosas. A melhor forma para evitar cair neste tipo de recomendação, que não necessariamente garante retorno para você, é entender para que você investe o seu dinheiro. Sim, “para que” e não “por quê”.

Defina um objetivo, construa um plano e busque um conselho profissional. Ter uma direção supera qualquer ‘’dica quente”.

2. Tomar decisões influenciado pelas emoções

Emoções como medo e ganância estão longe de auxiliar na tomada das decisões financeiras.
Quando os mercados de ações caem, muitos investidores entram em pânico e vendem seus ativos para não perder mais dinheiro no curto prazo.

Por outro lado, a ganância pode levar investidores a recorrerem a esquemas de enriquecimento rápido, caindo em golpes porque acreditam estar diante de uma oportunidade única.

3. Esquecer dos impostos

Observar o potencial lucro dos investimentos é ótimo, mas não se esqueça de avaliar o impacto dos impostos na rentabilidade. No mercado de ações, por exemplo, operações com vendas no mês em um limite de até R$ 20 mil são isentas de IR, mas qualquer valor superior é preciso declarar, pagando 15% de toda a valorização e 20% para operações “day trade” (compra e venda em um mesmo pregão).

4. Não diversificar

Diversificação é a dica de ouro dos investimentos. Seja no mercado de renda fixa ou variável, é preciso sempre diversificar para evitar o risco de perda patrimonial.

Investir em diferentes classes de ativos reduz o risco de perda e aumenta as chances de ter uma rentabilidade mais atrativa no curto, médio e longo prazo.

5. Investir pensando no curto prazo

Um bom planejamento irá estabelecer metas de curto, médio e longo prazo. O imediatismo é inimigo do longo prazo. Isso se aplica especialmente ao mercado de renda variável! Um dos principais erros de investidores é esperar resultados rápidos neste tipo de aplicação.

6. Não considerar os riscos de um investimento

Todo investimento está sujeito a riscos, seja ele de mercado, de liquidez ou de crédito. O risco é a possibilidade de algo inesperado acontecer - e é ele que projeta a possibilidade de maiores retornos.

Quer dizer então que você deve se preocupar sempre que ler a palavra “risco”? Não, pois ele sempre vai existir. É importante que você entenda os tipos de risco e a sua tolerância a eles. Invista o seu patrimônio de acordo com o seu
perfil de investidor.

 

Ana Kamila. Contato: ana.casagrande@warren.com.br | warren.com.br