A sociedade brasileira depara-se com uma conjuntura extremamente desafiadora. Diariamente, vemos discussões que apontam para debates ideológicos, culturais, religiosos, éticos, filosóficos e que apresentam um repensar sobre o nosso dia a dia. De fato, todas essas manifestações são pertinentes e fazem parte do ambiente democrático no qual vivemos.

Porém, não podemos perder de vista a necessidade de o país se recuperar dos problemas econômicos, especialmente voltados ao equilíbrio das contas governamentais, nos quais está submerso nos últimos anos.

A economia brasileira, que foi exemplo para os países em crescimento há uma década, está se aproximando, segundo a taxa de desocupação no Brasil publicada pelo IBGE em julho deste ano, da casa dos 13 milhões de desempregados. A reorganização das contas do governo e da nossa economia é essencial para reverter este quadro.

A agenda da competitividade do nosso país passa pela compreensão de que todos os atores devem mirar a excelência em suas responsabilidades, produtos, serviços e comportamentos. A necessidade da busca pela agregação de valor é um objetivo antigo da nossa economia, mas ainda distante dos resultados necessários.

Na ótica empresarial, o empreendedorismo, a inovação e a competência na gestão são fundamentais para que a retomada do crescimento, a geração de emprego e renda de qualidade sejam alcançados, tanto por nossos conterrâneos, quanto por aqueles que escolheram nossa pátria como lar.

Em outra vertente, é necessário analisar a parcela daqueles que procuram oportunidades, a busca constante pelas competências é fundamental numa eventual retomada. Ficar esperando que a melhoria do cenário aconteça para depois investir em si próprio dará um flanco aos concorrentes nos cenários pessoal e profissional.

Um dos indicadores mais famosos no meio empresarial é o índice de confiança do empresário, que reflete diretamente a intenção ou não de investir em seus setores. E como sabemos, os empresários somente investem se acreditam na possibilidade de retorno de seus esforços.

Neste sentido, destaco a iniciativa da UniSociesc em Jaraguá do Sul no que tange ao investimento na região, proporcionando à comunidade possibilidades de formação de qualidade num ambiente novo com todas as condições acadêmicas e de infraestrutura para um excelente aprendizado. Acreditemos e preparemo-nos para uma retomada, pois esse país merece.

Márcio Rogério de Oliveira - Economista e coordenador de graduação da UniSociesc Jaraguá do Sul.