Uma das capacidades mais impressionantes de ser humano é a de aceitar a diminuição da qualidade de vida, especialmente quando isso ocorre de forma gradativa. O ser humano é extremamente adaptável e se acostuma em pouco tempo a conviver com situações que poderiam ser tratadas facilmente. Mas, por falta de informação, ou algum outro motivo, convive com a limitação. Problemas de labirinto, que são generalizados e chamados de labirintite, muito comuns e têm tratamento com a fisioterapia vestibular. Você se identifica ou reconhece alguém? “Sempre tive que viajar no banco da frente do carro sem olhar para os lados e muito menos para trás, senão seria vômito na certa”. “Não posso me deitar para o lado direito porque roda tudo”. “Se fico parado olhando os carros passarem na rua, ou viro a cabeça muito rápido de um lado para o outro, fico tonto, quase caio”. “Tenho que caminhar me segurando, não tenho equilíbrio, parece que o corpo puxa para trás”. Estes são relatos de pacientes que procuraram tratamento quando sentiram estas alterações, que são disfunções do labirinto, ou tecnicamente, sistema vestibular, que podem afetar jovens ou adultos de qualquer idade. Já o desequilíbrio e o risco de queda ocorrem à medida que a idade avança. As quedas são consideradas mais frequentes entre idosos, cerca de 40%, gerando a piora do quadro de desequilíbrio pelo medo de que ocorra um novo evento. A autonomia e a realização das atividades diárias são reduzidas, acarretando na perda de massa muscular e óssea, fraqueza e consequente dificuldade de caminhar e manter-se de pé. A fisioterapia vestibular é a especialidade da fisioterapia que trata todos estes distúrbios através de técnicas e exercícios. Na maioria dos casos, após uma avaliação, pode-se obter uma melhora significativa ou mesmo a eliminação do sintoma em poucas sessões. Vertigem, tonturas e desequilíbrio não fazem parte da vida do ser humano. Existe tratamento para voltar a sentar no banco de trás do carro, escolher o lado que deseja deitar, observar o trânsito sem ficar tonto ou simplesmente caminhar sem se apoiar. Trate e previna. Não coloque limites em sua vida. “O maior erro que um homem pode cometer é sacrificar a sua saúde a qualquer outra vantagem” – Arthur Schopenhauer, filósofo alemão.